Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009
Arte marítima.

 

´Iroquois´ and ´Palmer´ in Boston Harbor”  -  Shane Couch
 
Esta pintura mostra a escuna “Iroquois” à saída de Boston seguida de perto pela velha escuna “Palmer” no Verão de 1892.
O “Iroquois” foi desenhado por A. Cary Smith e lançado à água a 2 de Dezembro de 1886 nos estaleiros de Harlingsworth em Wilmington, Delaware. Originalmente com o nome “Júlia”, esta escuna foi comissionada por C.W. Chapin para lazer de Inverno. As suas linhas eram uma inovação para a altura, combinando profundidade com um eixo central que atravessava a sua quilha lastrada. Foi um dos primeiros da geração de yachts em aço. Após o lançamento, navegou até Havana em Cuba onde passou o Inverno. No regresso, foi vendido a T. Jefferson Coolidge que lhe aumentou a mastreação e com o novo nome de “Iroquois” passou a competir em 1887, com muitas e boas regatas contra a escuna “Sachem”. Em Março de 1888 a sua navegabilidade foi posta à prova quando passou com sucesso por um furacão responsável pela perda de muitos navios. Coolidge continuou a usá-lo em regatas vitoriosas até 1891 quando o vendeu ao vice-comodoro Ralph Ellis. Em 1897 competiu contra o “Colónia” de Herreshoff e nesse ano foi doado para navio-estandarte do Yacht Club de Seawanhaka.
 
Quanto ao “Palmer”, apelido do famoso marinheiro Capt. Nat Palmer, foi lançado à água em 1865 nos estaleiros de Hilman & Streaker de Filadélfia. O seu dono Richard F. Loper foi responsável pelo seu desenho, tal como pelas escunas “Magic”, “Madgie” ou “Josephine”. Estas escunas de desenho tradicional americano mostravam-se muito rápidas em ventos leves e particularmente rápidas em vento fraco. Eram qualidades permitia ao “Palmer” ser seleccionado para defender a Taça da América contra o “Livonia” em 1871, juntamente com o “Columbia”, “Sappho” e “Dauntless”.
Loper vendeu a escuna em 1869 a Rutherford Stuyvesant, que com ela competiu mais de 20 anos, mantendo-a em perfeito estado e adaptada às inovações de navegação, sendo trabalhada pelo famoso designer George Steers em 1871, 73 e 75. Em 1887 foi completamente reconstruída.


publicado por cachinare às 08:51
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos