Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008
The Power of Cod.
Este texto foi editado no San Francisco Chronicle, dos E.U.A. em 2003:
 
«Confrontado com o quase total colapso das reservas, o governo do Canadá baniu toda a pesca comercial e recreativa de bacalhau nas províncias do Atlântico (Terra Nova e Labrabor) e Quebec, pondo fim a um modo de vida que durante séculos definiu grande parte destas regiões.
A ordem, que proíbe toda a pesca do bacalhau excepto apanhas mínimas para fins científicos, representa o enterro final no mar de uma indútria que sofreu um declínio devastador desde os princípios dos anos 1990s, especialmente ao largo da Terra Nova, a antes capital mundial do bacalhau.
O colapso dos Bancos de bacalhau representa um dos grandes desastres ambientais do século XX, embora ainda não haja concordância entre os ictiologistas, investigadores governamentais ou os próprios pescadores sobre a causa de tamanho declínio. Ao largo da Terra Nova, outrora o bacalhau viveu em tal abundância que o explorador Cabotto descrevia ser possível apanhá-lo só com uns cestos.
Cientistas das pescas estimam que levará décadas ao bacalhau para recuperar de forma a suster de novo a economia do passado na Terra Nova.
Embora seja assumido que o bacalhau decaíu vítima de excessiva pesca industrial, em particular a dos arrastões-fábrica que começaram a varrer os Grandes Bancos da Terra Nova e outros fundos ricos do Atlântico nos anos 1960s, alguns cientistas acreditam que mudanças repentinas no ambiente marinho possam ser responsáveis. Em 1992, uma moratória à pesca do bacalhau pôs 40.000 pescadores Canadianos do Atlântico e fábricas de pescado sem trabalho, principalmente na Terra Nova.
Alguns pescadores da região viraram-se para a lucrativa pesca do camarão e crustáceos, mas as licenças são limitadas e ninguém espera que estes tipos de faina tragam a prosperidade que outrora o bacalhau simbolizou
 
Durante 400 anos várias nações andaram na Terra Nova a pescar bacalhau e sempre chegou para todos. Segundo alguns, de repente os fundos marinhos “irritaram-se” e enxotaram o bacalhau em meados do séc. XX. Que teoria fantástica... e cómoda. Pouco se fala sobre isso, mas é sabido que navios-fábrica e de arrasto, que já nos anos 20 e 30 puseram fim aos navios de pesca à vela com dóris nos Bancos (exemplos como o Elsie, Bluenose...), começaram o desiquilíbrio e o resultado foi o fim do bacalhau umas décadas depois. A foto do miúdo entre aqueles dois colossos de peixe intitula-se “The Power of Cod” e reporta a inícios de 1900s na Terra Nova. “The Power of Cod” joga com a palavra “God” (Deus) e mostra como o Poder do Bacalhau era enorme para a Terra Nova e outras nações como Portugal.
Misteriosamente, a famosa Frota Branca Portuguesa era composta por bacalhoeiros que teimaram em pescar à linha e anzol até 1975. Como diz o texto acima, principalmente nos anos 60 começou o massacre dos mares por Americanos, Canadianos, Russos, Polacos, Espanhóis, Franceses... e a lista continua, mas Portugueses sempre com o seu trol (linha e anzóis) e “rileys” (linha extra enquanto o trol pescava).
Alan Villiers na sua “Campanha do Argus” em 1950 escreve muito sobre este aspecto, pois pescar à linha nos mares gelados era duríssimo para os pescadores e era quase vida in-humana para muitos. Vários diziam que era uma vergonha para Portugal (regime de Salazar o culpado) que se andasse a pescar ainda como na “Idade Média” enquanto à nossa volta navios modernos estrangeiros com as melhores condições para os homens nos “envergonhavam”. Para Alan Villiers, o pescador Português mantinha um certo respeito pelo equilibrio do mar, apanhando ao mesmo tempo os melhores e maiores bacalhaus ao anzol. Custava muito e muitas vidas, mas aquilo eramos nós.
Por destino, o meu pai foi dos últimos homens a pescar à linha e anzol em dóris nos Bancos. Veio-se embora em 1974, após 8 anos a pescar no N-M Novos Mares, quando a Revolução de Abril ditou o fim de muitas coisas. Existem fotos deste navio no blog “noseomar”, uma delas a sair de St. John´s Terra Nova em 1974. Mostrei-a ao meu pai há uns tempos e nunca imaginou ver tal foto.
A humildade dos homens perante a Natureza é das maiores grandezas e por alguma razão a Terra Nova não esquece a singularidade da antiga Frota Portuguesa... .


publicado por cachinare às 10:23
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos