Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008
“Henry Ford” e “Columbia”, vidas curtas.
Clayton Morrissey, nascido numa família de pescadores da Nova Escócia, Canadá em 1874, foi para o mar pela primeira vez aos 13 anos no barco do seu pai. Aprendeu a salgar o peixe a bordo, como comandar homens no mar, ganhar a sua amizade e confiança e como tirar o máximo deles. Ao longo da sua vida, ganhou a reputação de ser um dos mais justos capitães dos portos do Atlântico Norte.
O 1º navio que comandou, aos 19 anos, foi o “Effie M. Morrissey”, que tinha o nome da sua irmã. Mais tarde esta escuna passou a chamar-se “Ernestina”, sobre a qual já escrevi. O Capitão Morrissey teve nas mãos várias escunas e era reputado por fazer três campanhas por ano aos Bancos, enquanto capitães mais velhos faziam duas. Com um grande gosto pela corrida, uma das suas escunas de pesca favoritas foi a “Arethusa”. Em 1922 nasce nos estaleiros de Essex, Massachusetts o “Henry Ford” (foto 1) que em Outubro, pela mão do Capitão Morrissey é escolhido para desafiar o “Bluenose” nas corridas. Apesar de ser considerada uma escuna rápida, com alguma controvérsia perdeu o troféu a favor dos Canadianos, pois o júri invalidou uma das duas vitórias que conseguira. Em Agosto de 1923, no tri-centenário de Gloucester, venceu uma corrida de gala e em 1928 naufraga ao largo da costa Oeste da Terra Nova. Terminava assim a curta vida desta escuna.
O “Columbia” (foto 2) foi construído pouco depois do “Henry Ford”, em 1923 também em Essex para substituir o derrotado “Henry Ford” contra o “Bluenose”. Não teve sucesso, pois perdeu de imediato as duas primeiras corridas. Esta escuna teve uma vida extremamente curta e infeliz, pois logo no lançamento o leme foi seriamente danificado e tal só foi descoberto após as corridas perdidas. Ainda em 1923, pouco antes da 1ª corrida contra o “Bluenose” foi abalroado por uma traineira Francesa que lhe levou grande parte do gurupés e aparelho de proa. Foi rebocado em estado de afundamento para St. Pierre e após trabalhos de recuperação, com uma tripulação pouco habituada ao navio, perdeu a 1ª corrida. O “Columbia” teve o seu fim em Agosto de 1927 ao largo de Sable Island durante uma das piores tempestades que a Nova Escócia sofreu naqueles anos. A escuna estava ancorada junto com outras em trabalho de pesca quando a tempestade se abateu e várias delas se perderam. Em 1928, uma grande arrastão Canadiano engatou por acidente as redes nuns destroços e ao tentar livrar-se, trouxe à superfície o “Columbia” na escuridão da noite. Partindo-se o cabo, voltou a afundar, para junto de muitos outros naquela zona.
Fotos de W.R. MacAskill.


publicado por cachinare às 15:04
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos