Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010
"Caxinas - A Minha Terra e a Minha Gente".

«Durante anos, escreveu, gravou e tirou fotografias fruto de centenas de conversas que teve com pescadores. Recentemente, resolveu seleccionar o melhor para o livro que agora chega ao público.

Centenas de fotografias, horas e horas de gravações, anotações em blocos vários, conversas, histórias e depoimentos recolhidos durante anos a fio. Assim nasce "Caxinas - A Minha Terra e a Minha Gente", o primeiro livro de José Vila Cova.
Aos 82 anos, caxineiro, filho e irmão de gente que muito fez pelo desenvolvimento da sua terra, decidiu, agora, partilhar as histórias que ouviu e viveu no seio da maior comunidade piscatória do país. Hoje, a pobreza, a fome, a dureza da pesca do bacalhau, a falta de uma habitação condigna, a inexistência de ruas ou escolas já não caracterizam as Caxinas, mas, volvido mais de um século, o espírito de comunidade, a interajuda, a linguagem muito própria e o sentido de pertença continuam a caracterizar a grande família dos homens do mar. Ali, partilha-se o pão na fartura e a dor na perda dos que o mar leva.
"Durante muitos anos, fui escrevendo, tomando apontamentos, fiz muitas gravações e tirei fotografias. Mais tarde, veio a ideia de escrever o livro", explicou, ao JN, José Vila Cova, que ainda hoje passa os dias à conversa com velhos pescadores.
Pelas centenas de páginas passa a história de uma povoação, que nasce com a gente pobre do mar - os sardinheiros -, que, na procura de uma enseada segura para os barquinhos, ruma da Póvoa para sul e encontra nas Caxinas um porto de abrigo. Caxinas, (também) o fruto de uma povoação das Honduras, que dá o nome à terra - Punta Caxinas - do outro lado do Atlântico, também ela piscatória, também ela uma enseada de abrigo.
"Era uma classe pobre, muito pobre. Assisti, muitas vezes, à fome que se passava aqui no Inverno, quando o mar não deixava sair os barcos. No início, vivia-se em barracões de madeira, sem condições de higiene", recorda Vila Cova, cujo pai começou com uma pequena loja, que viria a ser o primeiro "hipermercado" das Caxinas. Em 1927, doou o terreno, junto ao mar, para a construção da capela do Senhor dos Navegantes, que viria a dar lugar à famosa "igreja do barco".
"Ajudou muito os pescadores. Emprestava-lhes dinheiro para comprar redes e barcos, fiava-lhes comida no Inverno", continua a recordar José Vila Cova, que viria a "fundar", com 27 barracas, a praia das Caxinas, cuja concessão deixou, na década de 80, com 700 barracas.
O irmão faria dezenas de casas, que "os pescadores pagavam a prestações sem juros", e abriria novas ruas. Com o nome da família ficou ainda uma das primeiras instituições de solidariedade daquele lugar de Vila do Conde, onde, hoje, vivem mais de 10 mil pessoas. Era e ainda é assim nas Caxinas: quem pode mais, ajuda quem pode menos.
Da dureza da vida no mar e em terra, às agruras da pesca do bacalhau e dos barcos de pesca local, passando pela apanha do sargaço, pelos usos e costumes locais, até à fé, à dor e às lágrimas de todos sempre que um "irmão" morre no mar, o livro é, diz José Vila Cova, uma homenagem às Caxinas, cheia de histórias curiosas e pontuada por peripécias da boa disposição que caracteriza as suas gentes, vinda de quem é "um orgulhoso vilacondense das Caxinas"».
 
adaptado do artigo de Ana Trocado Marques – 14-02-2009 – Jornal de Notícias.
 
Finalmente e após muitos anos, se volta a publicar uma obra sobre esta comunidade que embora já não viva em dunas de areia, mantém muita da originalidade piscatória pela qual se formou. A casa dos meus pais foi uma das que António Vila Cova construíu, como tantas pelas Caxinas e foi um nome que cedo me habituei a ouvir lá em casa e vinha à conversa de vez em quando pelos anos fora.
Espero ter a sorte de adquirir este livro em breve, pois falará de certeza sobre gente como eu, como os meus pais, como os meus vizinhos, os vizinhos deles... . Fala sobre todos nós, os Caxineiros.


publicado por cachinare às 08:15
link do post | comentar | favorito

6 comentários:
De jaime pontes a 6 de Novembro de 2010 às 10:25
Maravilha ,aqui está um livro em jeito de biografia feito e escrito pelo amigo e Caxineiro José Vila Cova ,amigo do seu amigo ,de quem eu prezo muito de sua amizade ,pois que desta biografia e escrita se tira muitas conclusões ,em especial os mais novos que tenham interesse em descobrir um pouco como nasceu este povoado de Caxinas e sua gente ,realmente está muito bem direccionado escrito com todos os detalhes ,julgo não ser possível fazer melhor a biografia de Caxinas e Poça da Barca ,porque o amigo Zé Vila Cova além de ser um natural de Caxinas é familiar dos fundadores desta bela terra de pescadores e não só ,por isso adquiriu os dados suficientes para esta bela obra de Caxinas a minha terra e a minha gente ,um BEM HAJA ao amigo e conterrâneo José Vila Cova ...


De Luis a 5 de Janeiro de 2012 às 12:10
Um livro que gostava de ler, pois embora não seja Caxineiro , tenho uma grande afinidade por ela e pelo seu povo, e por isso gostava de poder ter este livro, mas já tentei e não o encontrei, será que me podem informar onde se encontra a venda.

Cumprimentos.


De cachinare a 5 de Janeiro de 2012 às 18:34
Julgo que a única hipótese de encontrar este livro será na livraria municipal de Vila do Conde, mas ainda não tive oportunidade de lá ir, para confirmar.

A. Fangueiro


De Luis a 6 de Janeiro de 2012 às 11:05
Agradeço a sua ajuda, se me poder indicar onde situa a livraria seria optimo, conheço a Câmara Municipal a praça onde se realiza a feira do artesanato e alguns outros pontos.
Por isso uma referencia nesse sentido iria ajudar.


De cachinare a 6 de Janeiro de 2012 às 22:32
Se conhece a camara municipal, então imagine que está à entrada da Igreja Matriz e indo daí em direcção ao rio encontra de imediato a Rua do Lidador. A livraria fica sensivelmente a meio, num Solar antigo.
Se perguntar, indicam-lhe facilmente.

A. Fangueiro


De Jaime Pião a 14 de Junho de 2012 às 14:14
Caxinas a minha terra e a minha Gente ,livro que me foi oferecido pelo autor Sr José Vila-cova .
Li e encontrei muito de bom neste livro ,posso dizer que fiquei a saber mais um pouco sobre a minha terra de Caxinas e a minha gente ,também estou grato aos irmãos Vila-Covas, Sr. António em especial que muito contribuiu para o engrandecimento da sua e nossa terra ,homens como ele Sr. António Vila -Cova merecem bem o reconhecimento do povo Caxineiro ,para ele onde quer que esteja uma sincera homenagem e um BEM -HAJA !!!


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos