Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011
Autarquia Lagoense apoia edição em livro sobre a Pesca do Bacalhau.

 

«A Câmara Municipal de Lagoa apoiou a edição do livro “Pesca do Bacalhau - Diário de Bordo de João Carlos Caetano - De S. Miguel à Gronelândia - Ano de 1952”.

Co-financiado pelo Programa Prorural - Eixo 3, este é livro será (foi) lançado no próximo dia 17 de Junho a partir das 20h00, no Salão Nobre do Edifício da Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Rosário, e insere-se na edição deste ano das Festas de São Pedro Gonçalves.

Trata-se de um relato em livro da primeira viagem aos Bancos da Terra Nova e Gronelândia de João Carlos Caetano realizada no ano de 1952 a bordo do navio “Oliveirense”. Na altura João Carlos Caetano era moço de convés deste navio e relatou, por escrito, os principais acontecimentos que marcaram esta sua viagem na aventura da pesca do bacalhau.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, João Ponte, este livro constitui um tesouro cultural para o povo lagoense, porque possibilita um “vislumbre sobre a vida difícil e arriscada, as funções e os pensamentos de um moço, que mais tarde torna-se pescador, e que foi capaz de registar os instantes vividos e sentidos por pescadores, aquando da sua viagem por mar desconhecido em busca do sustento para a sua família”.

Cinquenta e oito anos depois, este é um registo que se assume como um importante documento histórico, que através do seu relato, permitirá à comunidade lagoense ter um conhecimento mais profundo da árdua vida dos pescadores que se dedicavam à pesca de bacalhau.

Com a publicação deste livro, a Câmara Municipal de Lagoa procura deixar um legado e, neste caso concreto, um testemunho vivo de dedicação, coragem e trabalho no exercício de uma actividade que, outrora, era certamente mais difícil; um exemplo vivo às gerações vindouras e uma homenagem a todos aqueles que se dedicaram à actividade piscatória, sacrificando, muitas vezes, as suas vidas.

Deste modo, a publicação deste livro “ Pesca do Bacalhau: Diário de João Carlos Caetano – De São Miguel à Gronelândia – Ano de 1952”, não é mais do que uma merecida homenagem, que recorda a bravura de todos os pescadores já falecidos e desaparecidos no mar, ao mesmo tempo que, enaltece o trabalho daqueles que exerceram, e exercem, com dedicação, honestidade e orgulho esta actividade que é tradição no Concelho de Lagoa.

Paralelamente à edição deste livro, a Câmara Municipal de Lagoa irá atribuir um Voto de Louvor a João Carlos Caetano pela sua reconhecida dedicação à actividade piscatória, principalmente no que diz respeito à pesca do bacalhau, que exerceu ao longo de muitos anos, sendo, por isso, um testemunho para as novas gerações, através desta actividade profissional desempenhada numa altura marcada pelas dificuldades e más condições no que concerne aos meios técnicos existentes para desempenhar esta actividade.

Recorde-se que João Carlos Caetano iniciou a sua profissão enquanto pescador. No que se relaciona à sua actividade no âmbito da pesca do bacalhau terminou a mesma em 1967, dedicando-se posteriormente à pesca artesanal no Porto dos Carneiros, no Concelho de Lagoa. Foi proprietário da embarcação “Pérola da Lagoa” e em 1972, trabalhou na Casa dos Pescadores e, posteriormente, na Lotaçor até 1984, ano em que se deslocou para a América regressando a S. Miguel em 1996.»

 

via Câmara Municipal de Lagoa - Açores

 

Procura-se obra e tributo semelhante aos pescadores bacalhoeiros das Caxinas e Poça da Barca. Uma vez que me encontro a 3.500 km de distância, poderá já ter ocorrido e não me dei conta... .



publicado por cachinare às 08:25
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Anónimo a 31 de Janeiro de 2011 às 12:40
Embora tivesse lido este texto como se estivesse a referir a Lagoa - Algarve, acabei por descobrir que
se tratava de Lagoa - Açores.
Congratulo-me com o aparecimento, aqui e além, de tais obras, sobretudo quando vindas de quem por aquelas andanças tanto pescou, lutou e penou.
Quanto à nota final, referente ao «tributo semelhante dos pescadores das Caxinas e Poça da Barca», veja-se o quanto teve que lutar o insigne Caxineiro Sr. José
Vilacova, para levar àvante a publicação do seu livro
sobre as Caxinas e sua gente.
O homem teve de correr Séca e Méca, para largos meses depois, finalmente saír aquela edição, cuja impressão, mormente da parte fotográfica, muito deixou a desejar.
Tal como li ainda à bocado,
Isto só funciona para quem for seu apaniguado...
Portanto: aqui fica o recado dado.

Albino Gomes


De Anónimo a 31 de Janeiro de 2011 às 17:47
Correcção:
onde se lê: À bocado,
deve-se ler: HÁ bocado

Al bino


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
é com orgulho e admiração que leio e recordo este ...
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos