Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011
O cais do Ginjal-Cacilhas.
O cais do Ginjal, na margem Sul do Tejo era um dos locais frequentados por vários navios bacalhoeiros antes da partida para a Terra Nova e Gronelândia, por alturas de Abril para os da pesca à linha e duas vezes por ano em Fevereiro e Agosto para os arrastões. Depois da habitual Benção dos navios em Belém, dirigiam-se ao Ginjal ou à Banática no Monte da Caparica para abastecerem por exemplo de isco ou gelo. A afluência de familiares dos pescadores que partiam era bastante grande, com pessoas vindas um pouco de vários pontos da costa Portuguesa para a despedida, segundo alguns jornais da época, muitas delas nos seus trajes tradicionais das comunidades piscatórias. Era também motivo de orgulho para muitos a partida para a Grande Faina e por tal vinham nos seus melhores trajes.
Na memória ficam navios como o “Sam Tiago”, “Elisabeth” e “Gronelândia” da pesca à linha ou os arrastões “Álvaro Martins Homem”, “Pedro de Barcelos” ou “David Melgueiro”, atracados habitualmente nestes locais e bem conhecidos da população.
Hoje o Ginjal mostra a degradação das muitas empresas navais que lá funcionaram, tal como fábricas de conservas de peixe, abastecimento de gelo e armazéns de isco, cuja memória se vai apagando.
É apenas mais um exemplo dos muitos da degradação de locais que outrora estavam cheios de cor e vida. Sinais dos tempos, o fim do bacalhau da Terra Nova e “falta de dinheiro” (ou capacidade cultural) de autarcas para revitalizar sábiamente locais cheios de história e simbolismo.
A foto é da autoria de Guilherme Cardoso – Blog o-pharol.


publicado por cachinare às 08:21
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De isabel tiago a 10 de Fevereiro de 2011 às 16:26
Boa tarde

Tenho boas memórias do Gingal, embora não relacionadas com a pesca. Era um dia de grande excitação irmos almoçar ao Gingal, ensopado de enguias, caldeirada e ameijoas!!!! O restaurante era o Grande Elias!!!!
Também penso que é triste ver os nossos locais degradados mas no actual contexto duvido que seja possível sonhar com esses melhoramentos. Reconheço que há locais que eram desérticos quase e hoje estão lindos e outros ficaram esquecidos no tempo. Penso que todas as zonas ribeirinhas são um privilégio. Quem sabe se um dia destes há notícias de que o Gingal vai ser revalorizado??? Veja-se o que foi feito em Coimbra à beira do Mondego e noutras regiões do país, onde se deu muito valor às margens para uma mais valia das populações e visitantes ocasionais.
Bom fim de semana.

Isabel Tiago


De antonio adao a 1 de Janeiro de 2012 às 11:35
Bela foto da zona do ginjal, vista do castelo/jardim.

O seu blog é muito interessante. voltarei mais vezes.


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos