Sexta-feira, 4 de Março de 2011
“Os Açorianos e a Pesca Longínqua nos Bancos da Terra Nova e Gronelândia”.

Já anteriormente escrevi um pouco sobre esta obra aquando de um artigo intitulado “António ´Bacalhau´”, um dos famosos pescadores do bacalhau que quando não andava na faina era um dos melhores futebolistas das ilhas.

Aqui fica um artigo específico dedicado à obra, que sem dúvida será muito interessante no universo marítimo Português da pesca do bacalhau.
 
«“O Homem e o Mar – Os Açorianos e a Pesca Longínqua nos Bancos da Terra Nova e Gronelândia” é o título do último livro do florentino João Gomes Vieira e que, de certa forma, conclúi uma trilogia iniciada em “O Homem e o Mar – Embarcações dos Açores” (2002) e continuada com “O Homem e o Mar – Artistas Portugueses do Marfim e do Osso dos Cetáceos – Açores e Madeira. Vidas e Obras” (2003). Tal como aqueles, também este é um livro sem precedentes entre nós em termos de abordagem temática. Esta é também uma edição bilingue (português e inglês), apresentando-se, tal como as outras, profusamente ilustrada e com inexcedível qualidade gráfica, saltando à vista a riqueza iconográfica da obra.
Estudioso dinâmico e apaixonado pela historiografia e etnografia marítima, João Gomes Vieira disponibiliza dados que são fundamentais para o conhecimento da participação dos açorianos na pesca do bacalhau nos mares gélidos, brumosos e tempestuosos da Terra Nova e Gronelândia, procedendo a uma minuciosa inventariação de todo um património que os novos tempos vão atirando para o esquecimento. Bem documentado e informado, fá-lo criteriosa e meticulosamente, num trabalho de pesquisa a requerer aturado esforço.
A pesca do bacalhau terá começado a interessar aos portugueses na viragem do século XV para o século XVI. Por ser peixe fácil de conservar impôs-se com facilidade nos hábitos alimentares dos lusitanos. Os açorianos destacam-se, desde cedo, na pesca à linha nos navios bacalhoeiros. Aliás, tudo leva a crer que pescavam na Terra Nova desde os tempos dos Cortes-Reais e a certeza de que o faziam a partir de 1500, havendo a considerar este dado histórico inapelável: os bacalhoeiros, nas suas viagens de regresso a Portugal, faziam escala nos Açores. A partir de 1880 há registos consistentes que dão testemunho de um número considerável de açorianos a trabalharem nos bancos da Terra Nova e Gronelândia. O contributo insular foi de tal forma importante que, nas últimas décadas do século XIX, toda a frota bacalhoeira portuguesa se encontrava na posse de armadores dos Açores, ainda que operando a partir da Figueira da Foz e de Lisboa. Recorde-se que, mais tarde, a frota bacalhoeira portuguesa chegou a atingir a meia centena de navios (no ano de 1936). Estes são apenas alguns dados a partir dos quais João Gomes Vieira lança olhares históricos à frota bacalhoeira portuguesa, tecendo considerações sobre as duras condições de vida a bordo dos navios bacalhoeiros, a faina piscatória (seus métodos, processos e técnicas), a lavagem e seca do bacalhau, a história das empresas bacalhoeiras, dando a conhecer inventários, registos, números, documentos, glossário, notícias de jornais, biografias, depoimentos, testemunhos e memórias de armadores, capitães e pescadores.
Mas este é essencialmente um livro de navios e navegações, de borrascas e calmarias, de chegadas e partidas – símbolo maior da errância açoriana. Por isso o autor presta justíssima homenagem aos lugres Creoula e Argus (deles traçando minucioso historial), mas também a outros: Júlia (I, II, III e IV), Gazela I, Oliveirense, Labrador, Gamo e Nossa Senhora dos Anjos, havendo ainda a considerar a escuna Hortense e o iate bacalhoeiro Autonómico Açoreano.
Saudemos este livro e o seu autor que, de forma contínua e continuada, vem investigando o património do mar.»
 
por Victor Rui Dores – Núcleo Cultural da Horta, boletim n.14 – 2005
 
 


publicado por cachinare às 08:52
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De jaime pontes a 4 de Março de 2011 às 18:50
Há provas que realmente os Portugueses já pescavam bacalhau nos anos 500 ,por isso os Corte Reais os Fagundes e outros foram obreiros nesses tempos ,e por isso dou comigo a pensar como esses homens pescavam bacalhau nos bancos da Terra Nova ,sim porque nesses tempos não iam na Groenlândia ,era quase impossível ,com maus tempos gelos nevoeiros ir a Groenlândia ,embora haja registos que os Nórdicos já pescam a centenas de anos nos mares do Norte .
Quando os nossos avós e pais foram a pesca do bacalhau já era difícil ,quanto mais noutros tempos, mesmo pescando de bordo dos Navios , eu mesmo que dei as minhas sete viagens quase obrigatórias ,era muito difícil imagino outros tempos ,havia de ser horroroso ,enfim eram tempos que o tempo teima em nos lembrar !!!


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos