Quarta-feira, 13 de Abril de 2011
A nova fanequeira de Vila Chã - Dia 9.

22 de Setembro de 2010, Quarta-feira

 

Pregar a cinta

 

A manhã foi totalmente dedicada à colocação das cintas. A primeira operação, realizada entre duas pessoa, foi a colocação temporária da cinta, da proa para a ré. A tábua tinha cerca de 50cm a mais. Quando foi encontrada a posição correcta à proa cortou-se a cinta à medida e pregou-se a cinta à roda de proa; foi então estroncada contra os braços da embarcação.

Seguiram-se idênticos trabalhos para a cinta contrária do mesmo lado.
Seguiram-se largos momentos de consideração e avaliação visual. Benjamim Moreira decidiu então subir a cinta do lado da proa cerca de 5 cm e pregá-la permanentemente de um lado e do outro. Todas as operações foram executadas manualmente Depois seguiram-se operações similares à ré até que a cinta foi fixada permanente ao cadaste de ré. Antes destas operações tinha-se subido o alefriz à proa e à ré de ambos os lados. Também se executaram várias operações, a frio e com água quente, à ré, para dar a forma correcta à cinta. Depois levantou-se a cinta ao longo de toda a embarcação, escorando-se e amarrando-se cinta a cinta á proa, a meio e a ré e apontou-se provisoriamente com pregos.

No geral as operações realizadas não foram muitas nem diversas, mas usou-se bastante tempo para aferir resultados e tomar cada decisão final. As tábuas para a cinta tinham sido serradas com 13 mm e o falho da tábua colocado para o lado de dentro da embarcação, "seguindo a natureza". Benjamim Moreira diz que ao usar a madeira nesta direcção a cinta corre menos riscos de rachar. (por outras palavras poder-se-ia dizer com o cerne da árvore para fora). Também fez notar que quando se risca a cinta o traço é descendente da caverna de ré para cadaste e da caverna de 6 de proa para a roda de proa. No entanto depois de ir ao lugar, "com a evolução", fica um alinhamento perfeito com a área da embarcação.De tarde cortaram-se duas longarinas que se pregaram no embrace da cada caverna com o braço. Com a ajuda de um compasso posicionaram-se os braços. E pregaram-se as cavernas às longarinas. O trabalho terminou mais cedo porque o mestre foi assistir a um funeral.

 

Expressões ouvidas durante o dia:

 

Cerne – Mestre Benjamim Moreira distingue entre cerne e coração de uma árvore. Cada árvore tem um coração, ao meio. Se o coração não estiver podre pode então falar-se de cerne.

Não paga a pena – Expressão usada por vezes por Benjamim Moreira indicando que certa operação não se justifica ou não vale o trabalho que origina.

Já não tem lombas – expressão usada por Benjamim Moreira quando se deu por satisfeito com a forma que a cinta ganhou depois de toda levantada e escorada.

 

 

 

 

texto e imagens – projecto CCC – Celebração da Cultura Costeira.

 

 

 

 

 

 



publicado por cachinare às 11:19
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos