Quinta-feira, 18 de Agosto de 2011
Aquele Portugal.

 

 

«Mais do que qualquer outra vila piscatória de Portugal, a Nazaré tem alimentado a mitologia do homem do mar, o herói que enfrenta grandes perigos para retirar o sustento do seu dia-a-dia. Apesar de esta ideia se encontrar muito generalizada, a tradição piscatória da Nazaré não é muito antiga e remonta apenas, tanto quanto se sabe, a 1643, alcançando a vila apenas uma dimensão notável no século XVIII. Mas é no final do século XIX que se estabelece definitivamente a fama e o mito dos pescadores da Nazaré, narrados por muitos escritores, como Raul Brandão, e imortalizados no cinema por Leitão de Barros no filme Maria Mar, da década de 40, uma obra típica da cinematografia do Estado Novo.
A dura batalha diária travada entre os pescadores e o mar, com a coragem suicida de um amanhã marcado pela tragédia de ontem. As mulheres que descalças esperam os seus homens e os seus filhos na praia, enquanto desfiam lágrimas amargas por aqueles que perderam ou no temor antecipado de quando chegará a sua hora de sofrer. Ao alívio da chegada dos barcos sucede-se o descarregar do peixe e dos utensílios da faina. Os homens remendam as redes que os prendem àquela vida enquanto as mulheres vão vender o peixe.
Ao imaginário do passado pertencem os barcos típicos - a neta, o candil, a xavasca, o batelinho e a lanchinha - que descansam ao sol, na areia, e o vestuário característico dos homens com as suas camisas de quadrados de várias cores, calções dobrados pelos joelhos, também aos quadrados, um barrete de lã na cabeça tombado sobre o ombro, a lembrar um pouco o dos campinos, e os pés normalmente descalços. As mulheres levavam também roupas coloridas quando o luto ainda não lhes tinha enegrecido a indumentária e a vida. Estas imagens permanecem hoje apenas no folclore local e a arte da pesca foi substituída pelo turismo, que se tornou na principal fonte de rendimento local.»

 

via Infopédia: Porto Editora, 2003-2011

 



publicado por cachinare às 08:49
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Jaime pontes pião a 18 de Agosto de 2011 às 10:57
Nazaré terra de pescadores como muitas terras do litoral português ,pescadores esses bravos lobos do mar que muito desbravaram os mares para conseguirem o sustento para suas famílias ,tempos idos em que sempre se lamentavam os naufrágios e muitos pescadores perdiam a vida ,tempos em que as mulheres enviuvavam com frequência ,crianças ficavam sem pai ,enfim tempos dos nossos avós e bisavós ,mas eu pergunto ,que valor tinham e tem o pescador ainda hoje ?



Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos