Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011
Uma poita... brasileira.

A poita era um dos aprestos mais conhecidos dos antigos barcos poveiros (e alguns Galegos) ainda usada por alguns nos anos 50 quando os motores substituíam as velas na pesca costeira. Era uma forma antiga e barata de ancorar os barcos, com o simples uso de madeira e uma pedra. Com a emigração para o Brasil de muitos poveiros em finais do séc. XIX, a pesca e os seus barcos seguiram com eles e ainda hoje na comunidade de Búzios, Rio de Janeiro se nota a memória destas características poveiras... como o seguinte artigo que transcrevo denota:

 
«Em 2001, aos 86 anos de idade, cinco filhos, 11 netos e seis bisnetos, “Tuim”, (Felinto Carvalho Filho) resgatou uma tradição buziana que quase se perde por falta de interesse em se resguardar a memória dos costumes de um povo, uma terra. Com a ajuda do genro Cizinho, fabricou uma poita ("corpo pesado que se usa como âncora") sob encomenda do historiador Elísio Gomes, idealizador e fundador do Museu Marítimo de Búzios.
A poita foi feita com um galho de aroeira envergado, dois galhos de pitangueira servindo de hastes e uma pedra de 12,7 kg encontrada no mar perto do cais, tudo amarrado com uma corda de sisal. Diz a tradição buziana que essas poitas que serviam como âncoras, foram trazidas de Portugal pelo poveiros, os pescadores da cidade de Póvoa de Varzim localizada ao Norte daquele país (havia poitas de até 30 quilos).
 
Ainda em 2001, Tuim foi operado para implantação de um bypass no coração debilitado, mas ele não resistiu mais do que um ano, morrendo 15 dias após completar 87 anos em 2002. Tuim, nascido a 4 de abril de 1915, filho de Felinto Jorge e Bernardina Augusta de São Luiz, estudou até o quarto ano primário, quando começou sua vida de pescador, embarcando ainda muito jovem no Estrela Azul, Glória do Outeiro e no Cruzeiro, barcos onde muitos buzianos fizeram vida.
Apesar da memória um pouco confusa e com a ajuda das filhas Odete e Ana, Tuim contava algumas histórias de sua vida como pescador, sob o olhar atento da mulher Adélia, de 85 anos, que também enfrentou graves problemas de saúde e morreu um pouco antes dele. Entre essas histórias, a do "barco que foi contra o vento forte de um temporal, quebrou o mastro, perdeu o pano (vela) e emborcou. Todos passaram horas agarradas ao casco e ele, Tuim, só pedia a misericórdia de Deus e o envio da salvação". Quando amanheceu, um pesqueiro argentino encostou e resgatou os pescadores.

- “Até hoje agradeço aquela misericórdia divina” - lembrava Tuim contrito.»
 
texto / fotos in Buziosnews.com


publicado por cachinare às 07:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...
Salvo melhor opinião, julgo que esta imagem do gra...
Queria saber Quem deu o nome ao barco

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos