Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008
“Benjamin W. Latham”.
A escuna de 26 metros “Benjamin W. Latham” é um excelente exemplo das embarcações dos Grandes Bancos no virar do século e foi desenhada para o Capitão Henry Langworthy de Noank, Connecticut nos E.U.A, pela mão de Thomas F. McManus de Boston. Foi construída nos estaleiros de Tarr & James em Essex, Massachusetts e lançada à água a 30 de Outubro de 1902. Para os tempos que corriam, o “Benjamin W. Latham” era uma embarcação muito pequena de redes de arrasto à cavala e arenque, compreendendo apenas 72 toneladas brutas; esta arte de pesca empregava embarcações com o dobro da tonelagem.
O casco do “Benjamin W. Latham” é do tipo arqueado na chamada “forma de colher”. Quando foi construído, esta forma era uma evolução relativamente nova para os pescadores. Este desenho reflecte a influência de B.B. Crowninshield, o qual introduzira este tipo de casco no frota pesqueira dois anos antes com a sua escuna “Rob Roy”. Também incomum para a altura era a saliência na parte avançada da quilha, uma experiência que poucos constructores estariam inclinados mais tarde a copiar.
Esta era uma altura em que os armadores estavam ansiosos por ver as suas embarcações com quilhas que fossem direitas e não “encurvadas” pois tal fazia não raras vezes com que a embarcação tombasse quando entrava na carreira para reparações. A quilha do “Benjamin W. Latham” poderá ter tido esta forma por essa razão.
Quase todos os barcos na frota de pesca de Noank estava aparelhado para a pesca à cavala nos inícios do séc. XX e esta fora a principal actividade do “Benjamin W. Latham”. Primeiro registado como embarcação à vela, foi-lhe instalado um motor de 48 cv. a gasolina na sua 2ª ou 3ª época de pesca. Tal implicou que a hélice estava deslocada mais para bombordo, segundo mostram os planos. Uma vez que as redes era aladas pelo lado de estibordo o provável seria que a hélice estivesse a bombordo para não enroscar nas redes.
A história de pesca do “Benjamin W. Latham” foi pouco documentada. Sabe-se que podia acomodar uma tripulação de 15 homens. Em 1906 a escuna mudou de registo para Nova Iorque e operava com o Mercado de Peixe de Fulton, sendo o seu porto de abrigo South Street. Não se sabe que tipo de pesca fazia nesta altura embora seja provável que tenha sido convertida para a pesca ao trol com dóris. É também provável que tenha perdido aparelho de vela considerável por volta de 1920, usando maioritariamente o motor. Em 1939 passa a ter um dono de Porto Rico mas também não se sabe como armava ou que artes utilizava. Naufragou em 1943 ao largo de San Juan de Porto Rico. 
Fotos de shipmodel.com


publicado por cachinare às 09:13
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos