Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2012
“Anne Margrethe”.

A escuna “Anne Margrethe”, de 64 toneladas brutas, 22,43m de comprimento, 8,77m de boca e 2,75m de calado, foi construída e lançada à água em 1880-81 em Skaale, província de Hardanger na Noruega, pela mão do mestre naval Lars Knudtsen Skaale para um armador de Kristiansund. Esta comunidade era nos sécs. XVIII e XIX considerada como a capital do klippfisk (peixe seco) e possuía uma grande frota pesqueira, sendo o “Anne Margrethe” parte de cerca de duas centenas de embarcações que lá aportavam. Esta escuna navegava entre Kristiansund e as Ilhas Lofoten, de onde trazia peixe, normalmente bacalhau para a seca a Sul nas tradicionais armações, sendo depois exportado para a Europa e América do Sul.

Com o advento dos navios a vapor, que transportavam grandes quantidades de peixe para o Sul da Noruega, a grande frota de escunas começou a ser abatida durante os anos 20-30, numa altura em que o porto de Kristiansund era ainda uma “floresta de mastros”. A maioria dos navios seria queimada, outros desmantelados, mas alguns sobreviveram e continuam a navegar hoje. Em 1936 o “Anne Margrethe” foi adquirido por Jacob Grøneng e foi-lhe instalado um motor monocilíndrico “Union” de 50 cv. Em 1942, durante a ocupação Alemã, transportou areia para diversas construções ao longo da costa. Com o fim da guerra, a escuna trabalhou no comércio de arenque salgado para Helgeland e cabotagem de diversas mercadorias para o Norte da Noruega. Entre 1959-79 teve vários armadores até ser comprada e registada em Trondheim por um armador local. Completamente restaurada em 1989, possúi 5 cabines de 3 pessoas cada, num total de capacidade para 20 passageiros e com um novo motor diesel de 180 cv, navega mesmo sem vento.
Peixe salgado e seco era exportado das regiões da Noruega desde tempos imemoriais. A pesca tinha lugar em diferentes locais ao longo da costa, dependendo da concentração deste. Nos anos 1500-1600 exportava-se arenque de forma modesta e mais tarde surgiu o bacalhau, com níveis de exportação bastante elevados, atingindo o pico nos anos 1950s.
 
Site oficial do “Anne Margrethe”.


publicado por cachinare às 19:47
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Aproveitando a ocasião, sugiro a todos, pescadores...
Na verdade, tal como diz o Jaime Pontes, esta pose...
Claro que como demonstração tá tal e qual mas ,não...
Tal como se fosse um «filho pródigo», 7 meses depo...
é com orgulho e admiração que leio e recordo este ...
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos