Sexta-feira, 9 de Março de 2012
“Marie Clarisse” – Charlevoix, Canadá.

 

A escuna “Marie Clarisse” foi lançada à água em Shelburne, Nova Escócia em 1923. De 1923 até 1942 foi usada para a pesca de bacalhau e outras espécies nos mares da Terra Nova e Nova Escócia e depois na cabotagem até 1974. Em 1976 afundou nas águas costeiras do Golfo de São Lourenço, sendo adquirida então pelo oficial de Marinha Alain Canuel que pretendia transformá-la em navio de treino. Pondo a embarcação de novo a flutuar na Baía de Louise, levou-a para o estaleiro de Mailloux em Isle-aux-Coudres.

Em 1977 a escuna receberia o nome “Marie Clarisse”, em memória de uma anterior com o mesmo nome construída em Isle-aux-Coudres em 1908, ajudando a reviver a memória marítima da comunidade de Charlevoix. Em 1978, com medidas para preservar o património marítimo da Província, a escuna foi classificada como propriedade cultural e assim começaria um novo capítulo na vida da embarcação. Em 1983 foi adquirida pela família Dufour que a passou a usar em cruzeiros turísticos em promoção de mansões e hotéis de prestígio da região.
 
 
Durante 18 anos a escuna velejou nas águas do Fjord de Saguenay e em 2001, com a Sociedade Loto-Quebéc como novo proprietário, recebeu um restauro completo no valor de 1 milhão de dólares. Os trabalhos realizaram-se no Inverno de 2002 no estaleiro do Museu Marítimo de Charlevoix e ainda nesse Verão realizara cerca de 80 cruzeiros de promoção turística. Por fim, na Primavera de 2005, o “Marie Clarisse” passou a ser propriedade do Museu Marítimo de Charlevoix, que agora promove cruzeiros para grupos de empresas e associados, sempre centrado na história e paixão marítima.
 
adaptado do site oficial do Museu Marítimo de Charlevoix.
Foto 2 de Marc Piché – in Shipspotting.


publicado por cachinare às 00:28
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De JAIME PIÃO a 9 de Março de 2012 às 14:12
De louvar a História do Marie Clarisse ,desde os anos que andou na pesca do bacalhau ,passando para a cabotagem e passando por vários donos ou empresas e ainda hoje continua dando o seu contributo ao mar ,um quase tudo comparado ao nosso Gazela Primeiro ,mas o Gazela tem mais História ,pena que já não seja o nosso Gazela, nome que nós os pescadores do bacalhau o alcunhamos ,o nosso Gazelinha ,por ser nesse tempo o Navio mais pequeno e mais velhinho ,mas tinha o nosso carinho e respeito desde os mais velhos pescadores aos mais novos .e assim passam os tempos ,mas que o tempo não apaga as Histórias dos velhos Bacalhoeiros !


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...
Salvo melhor opinião, julgo que esta imagem do gra...
Queria saber Quem deu o nome ao barco

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos