Sexta-feira, 23 de Março de 2012
Os Braços da Lancha - Augusto Neto.

 

«Esta lembrança do passado, este pertencer ao mar: “Fui para a “Fé em Deus” em homenagem ao meu pai, que foi pescador na lancha “Ala Arriba”, pertença de um tio meu”, revelou o poveiro Augusto Neto, nascido em 1935.

Viveu junto à Igreja da Lapa, frente ao mar, até aos 21 anos, antes de rumar para Moçambique, onde foi pescador no barco “Senhor dos Milagres”, durante três anos. Depois trabalhou cinco anos na Câmara Municipal de Lourenço Marques, e foi bancário até se aposentar.

O tripulante da lancha poveira recorda o tempo em que o mar da Póvoa se enchia de velas: “Na minha juventude, conhecia pelo pano as lanchas “Fé em Deus”, “S. José”, “Ala Arriba” e a “S.ª Nagonia”. Com as nortadas pareciam voar a navegar. A lancha ”S. José” era do filho de uma irmã do meu pai.

Como só havia o cais norte, o abrigo mais seguro dos barcos era na areia. No defeso, as lanchas eram postas pelo braço humano no areal frente ao casino. As quatro lanchas pescaram até morrer na praia. A “Fé em Deus” foi oferecida ao museu mas acabou por apodrecer junto ao castelo. Como o meu pai era tripulante da “Ala Arriba”, cheguei a ver de perto a antiga “Fé em Deus”. Eu tinha 14 anos quando vi na Póvoa o primeiro barco a motor”.

 

 

Augusto Neto recorda a primeira vez que navegou na “Fé em Deus”: “Fui ao S. João de Vila do Conde. Nunca tinha navegado à vela, mas gostei da experiência e da camaradagem entre tripulantes. Foram sete anos impossíveis de esquecer, com viagens e alguns sustos pelo meio, temperadas pelas palavras sabedoras do mestre Agonia”.

Do paiol da memória, o tripulante destaca a viagem de regresso da Ria de Aveiro: “Na saída do canal principal, um barco moliceiro não nos deixou passar à frente, para entrar na represa de controlo de marés. Isso gerou um descontentamento e algumas reacções acaloradas, mas o remédio foi esperar. Nessa viagem trouxemos uma tuna do Porto. Enquanto navegamos na Ria, os estudantes ainda tocaram e cantaram. Quando chegamos ao mar, alguns deles enjoaram e outros adormeceram. Chegamos à Póvoa muito perto da meia-noite. Sem luz na embarcação e guiados pelo farol da lua, parecíamos um barco de clandestinos. Os moços da tuna tiveram que correr para apanhar o comboio para o Porto”.

Quanto aos passeios para crianças pelo mar da Póvoa reconhece que são muito interessantes: “Temos que estar sempre de olho neles porque alguns são muito vivos e gostam de copiar os tripulantes, até na borda da lancha. Estas viagens são muito bem recebidas por todos mas principalmente por crianças que vivem fora do mar, em terras mais distantes. Dar um viver da lancha a gente mais nova é sempre um caminho para a descoberta de uma embarcação que, no passado, era o ganha-pão do pescador poveiro”, conclúi Augusto Neto.

Quanto à renovação da tripulação da Lancha Poveira, Augusto Neto entende que tem sido feita de forma natural: “Está a aparecer gente nova e isso é bom. Mas convém sempre ter alguns veteranos para poder dar e passar o ensinamento. Espero ainda fazer o caminho marítimo até Santiago de Compostela, um velho desejo de Manuel Lopes. Em final de carreira era interessante. Sei que há uns quilómetros a pé, mas estou a preparar-me para os fazer”.»

 

in A VOZ DA PÓVOA – 29 de Fevereiro de 2012.

foto da lancha - PÓVOA SEMANÁRIO.



publicado por cachinare às 00:08
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De JAIME PIÃO a 23 de Março de 2012 às 11:23
Ora aqui está uma vivência bem conseguida ,mesmo sendo contada por um homem que não foi totalmente do mar ,embora sendo originário do mar ,e eu já cheguei a Moçambique com 15 anos e juntamente com meu Pai visitei a campanha do SENHOR DOS MILAGRES nessa altura ainda estavam em preparação para nova campanha que normalmente eram de três anos as vezes mais uns meses e com certeza o Sr Augusto Neto fazia parte dessa campanha e ele na altura com 21 anos eu com 15 ,fiz 16 um mês depois de estar em Moçambique ...
As lanchas Poveiras ...pois eu me lembro com os meus 7- 8 e 9 anos de as ver bem no areal em especial as quatro aqui mencionadas e cheguei a saltar nelas andando dentro desde o capelo de proa até ao de ré ,eram enormes nessa altura ,por isso eu as admirava e respeitava pela sua elegância ,tempos que o tempo não apaga !!!


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos