Terça-feira, 17 de Julho de 2012
João Canijo a rodar entre mulheres... das Caxinas.

 

«Foi a enchente que Vila do Conde ainda não tivera este ano - e foi-o porque a comunidade das Caxinas foi em peso examinar o retrato que João Canijo dela faz. Que a sessão tenha começado já depois da meia-noite prevista não fez ninguém arredar pé; que a afluência (e a confusão de entradas e saídas de sempre que a lotação esgota) tenha forçado muita gente a ser chutada para o segundo balcão não levou a grandes resmungos.

Não é todos os dias que as Caxinas "saltam" para o grande écrã - e Obrigação, o documentário que Canijo foi rodar à comunidade com uma equipa de estudantes do programa Estaleiro do Curtas, com o aval e a colaboração dos pescadores, passou a "prova de fogo", com gargalhadas e aplausos. Mesmo se, como o realizador fez questão de adiantar, o que se viu não fosse "o" filme, antes o "filme possível" neste momento. 55 minutos que são apenas um fragmento (coerente, consistente, mas apenas um fragmento) de uma longa que há-de surgir mais para o fim do ano.

Obrigação é, apesar da presença da actriz Anabela Moreira, um documentário imersivo, "puro e duro". E é também um filme que se inscreve em simultâneo na ancestralidade dramática e no olhar sobre os universos femininos que tem marcado a mais recente e fulgurante fase do cinema de Canijo. O olhar é sobre uma comunidade de pescadores, sim, mas filmado pelo "outro lado": as mulheres que são motor, âncora e leme da célula familiar, que "aguentam o forte" enquanto os homens estão no mar. O filme pode ressoar com esse arquétipo recorrente da "mãe-coragem", mas foge à tragédia dessas ficções para explorar uma tonalidade mais luminosa e menos austera.

A "obrigação" do título é o tradicional papel feminino na comunidade: ser ao mesmo tempo esposa, mãe e mulher de negócios, tão à vontade a fazer pequenos mimos para receber o marido como a discutir na lota o preço do linguado ou a fazer contas aos ganhos da semana. Anabela Moreira é, em todo este processo, o "pauzinho na engrenagem" essencial para que o universo se abra ao espectador; simultaneamente intrusa e amiga, investigadora que procura perceber e iniciada que descobre os segredos desta camaradagem feminina, é através dela que vemos as Caxinas por dentro e encontramos a humanidade que os olhares apressados e os lugares-comuns muitas vezes não deixam ver.

E esse frémito da vida real, potenciado pela imersão dos longos planos e da unidade de tempo (o filme passa-se no interregno entre a chegada de uma faina e a partida para outra), passou intacto para a sala, com os risos e as "bocas" dos espectadores como expressão máxima do reconhecimento. Obrigação pode ainda não estar acabado (e sente-se essa dimensão de "excerto" de que Canijo fala), mas já é um filme completo.»

 

texto e foto in Público – Jorge Mourinha.

 

É com enorme prazer que se vê esta comunidade saltar para o grande ecrã, e pela mão de realizador de tão grande nomeada. Sendo um trabalho especial para imensas famílias das Caxinas (e não só), é-o também para mim, pois a minha mãe é precisamente uma "mulher (poveira) da obrigação" há mais de 45 anos. Foi entre estas mulheres que dei os primeiros passos e cresci, na azáfama da chegada do peixe ao areal da velha praia dos pescadores da Póvoa. Foi entre elas que me apercebi que nelas estava toda a organização da vida em terra, pois os homens passavam a semana inteira no mar. A descrição que neste artigo o jornalista delas faz, é perfeita! Aguardamos pois impacientes a estreia do dito filme.



publicado por cachinare às 23:48
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De jaime pião a 18 de Julho de 2012 às 13:59
Pois aqui está alguém que se lembrou de fazer um pequeno filme sobre as Caxinas e sua gente ,costuma-se dizer que mais vale tarde do que nunca ,por tudo isto os meus parabéns ao jovem João Canijo ,cineasta de provas dadas ,Caxinas tem mais de um mil argumentos para se fazer um bom filme ,,,


De Anónimo a 19 de Julho de 2012 às 12:14
Para mim o melhor filme das Caxinas ainda é o daquela música que diz o Mário enrola nareia.
Jo


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...
Salvo melhor opinião, julgo que esta imagem do gra...
Queria saber Quem deu o nome ao barco
Olá amigo Bino ,tens razão afinal a minha confusão...
Olá amigo Jaime,Tudo bem no teu comentário, except...
Santa Maria Manuela ,um dos três cisnes brancos .J...
Joana tu és filha dá Zuliminha, minha prima, e irm...
Eu sou neta de Salvador Carvalho e filha de Salvad...
Bela foto de outros tempos aqui fala em anos 30 ,p...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos