Terça-feira, 31 de Julho de 2012
O vigor da Lancha Poveira do Alto, após 21 anos.

A anteriormente referida viagem da lancha poveira do alto “Fé em Deus” à Galiza, correu bem. Partimos da Póvoa cerca das 5:30 da manhã do dia 27 e foram doze horas e meia de viagem. O tempo sempre se manteve muito carregado, de um cinzento que misturava céu e mar numa única tonalidade. Após passagem da fronteira marítima, entramos no porto d´A Guarda para uma pausa rápida, porto esse também com grande tradição nas grandes lanchas de pesca volanteiras.

Chegamos então a Carril com o sol já baixo, e aí passamos a primeira noite, saíndo na manhã seguinte bem cedo, de novo a navegar, rio Ulla acima até Padrón, viagem de cerca de duas horas, só a motor e com a ajuda de um “piloto” local.

Após o regresso de novo a Carril e a um tardio almoço, aproveitamos o sol de fim de tarde para navegar para o porto de Ribeira, onde atracamos na marina, jantamos e dormimos a bordo da lancha. A noite esteve ventosa e fria, mas para quem escolheu dormir numa pana (bancos intermédios destas embarcações), como eu, o abrigo foi excelente, não se sentindo qualquer ponta de vento ou frio.

 

Cerca das 5:30 horas locais iniciamos então a viagem de regresso, com céu limpo e vento já bom para içar vela. Rumamos pela parte de fora das ilhas, de modo a apanhar mais vento, e o resultado foi uma chegada à Póvoa em tempo recorde de dez horas! Sempre com o motor a trabalhar por segurança, a ondulação de 3 a 4 metros proporcionou horas de vela emocionante, com a lancha várias vezes a galgar ondas abaixo como uma prancha de surf, numa média de 10 milhas náuticas por hora. Esta era uma das sensações que esperava ter a sorte de encontrar nesta longa viagem, e assim foi.

Gostaria que se repetisse no futuro, pois a camaradagem da tripulação é ótima e continuo a ter a opinião que fazer parte da tripulação de um barco destes é um privilégio. Se a vida me forçar a ter de deixar o país em breve para encontrar trabalho... a lancha será das coisas que mais me custará abandonar.

 



publicado por cachinare às 17:04
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Jaime pião a 4 de Agosto de 2012 às 09:45
Olho estas fotos e fico a imaginar outros tempos , que se saia de casa para o mar,normalmente de madrugada, mas com as botas calçadas ,com a roupa de oleado no braço e o fokim ou uma cestinha com pão e laranjas e pouco mais ,pronto para pesca do dia e era pedir a Deus que tudo corresse bem ,mas as vezes os tempos viravam ,e as arriba-delas muitas vezes eram perigosas ,com ventos frescos e mar alteroso eram tempos que não se sabia a meteorologia ,os arrais se regulavam pelos astros ,pela lua ou pelo sol , remos ou vela ,portanto nada do que é agora ,claro que os tempos são outros ,mas havia muitas diferenças em relação aos tempos de hoje ,por isso digo ,tempos que o tempo não apaga !


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
é com orgulho e admiração que leio e recordo este ...
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos