Sábado, 26 de Janeiro de 2013
Dundees lagosteiros em Portugal.

 

Nas duas fotos a preto e branco iniciais aqui apresentadas, é possível ver as comuns catraias do “tipo poveiro” serenamente ancoradas na foz do Lima em Viana do Castelo, por inicios do séc. XX. São duas das muitas fotos que vou guardando na busca incessante por imagens onde os “tipos poveiros” surgem. Mas há muito que me perguntava que embarcações seriam as que estavam ao seu lado, pois não lhes encontrava referência em qualquer outro ponto de Portugal. Não me pareciam ser barcos portugueses de todo.

 

 

Estas embarcações, denominadas Dundee (do escocês “dandy”) eram barcos de trabalho à vela utilizados em finais do séc. XIX e princípios do XX no Canal da Mancha e Mar do Norte para a pesca ao arenque, e de Groix a Camaret, na Bretanha, França, para a pesca ao atum e à lagosta. Podendo atingir os 25 metros de comprimento, a sua quilha profunda permitia um excelente comportamento a navegar.

Foi em finais do séc. XIX que alguns armadores dos portos de Camaret, Audierne e Douarnenez resolveram abandonar a pesca da sardinha passando a armar os seus dundees para a apanha da lagosta. O seu leito de pesca era a Calçada de Sein e seu prolongamento e a técnica utilizada eram as gaiolas. Na recolha das mesmas, as lagostas eram preservadas vivas num viveiro ao centro do casco, com orifícios para permitir a constante renovação da água e sua oxigenação. 

Mas rapidamente estes crustáceos desapareceram da zona e os armadores partem então à aventura de encontrar novas áreas de pesca. Numa primeira fase exploram com sucesso o Planalto de Rochebonne, ao largo da Ilha de Ré. De seguida rumam a Sul, às costas espanholas a portuguesas e mais tarde já em 1911 às marroquinas. Em 1914, o porto de Camaret armava 170 lagosteiros de 20 toneladas com15 a16 metros.

 

 

Foi através da ajuda do amigo Augusto Chavarria que vim a descobrir a razão de ser de estarem estes barcos no Lima, pois o seu pai fora tripulante neste tipo de embarcações e a arte a que se propunham: a apanha da lagosta na costa portuguesa. Eis o seu relato:

 

«O meu pai dedicou alguns anos à pesca da lagosta, na costa portuguesa, ou melhor, como ele dizia, na costa vicentina, entre o cabo de Sines, e cabo de S. Vicente em barcos específicos para aquela pesca, pois como ele me contava, o ganho estava em navegar com o marisco vivo até à descarga, quer em Viana do Castelo, quer em Espanha, julgo queem La Guardiade onde eram os patrões.

A lagosta era pescada com redes denominadas “rascas” (método habitual em Portugal) de emalhar e cada embarcação tinha umas pequenas chatas (botes), duas ou três, que faziam o alar das redes, e eram transportadas no convés do lagosteiro.

Meu pai, fez alguns anos depois a pesca do bacalhau, mas tinha barco movido a remos com vela, e pescava na costa de Viana, faneca, robalo, goraz, congro e toda uma variedade, pois naqueles anos era permitido pescar tudo. Tinha também redes de emalhar sardinha. O barco, nos meses que passava nos Grandes Bancos, era guardado numas lagoas existentes junto à ponte metálica, e por ali ficava até ao regresso.»

 

 

Um belo artigo apresentado no blogue Pelos Confins do Mundo é também ele bastante esclarecedor do uso e trabalho destas embarcações nas nossas costas:

«Este tipo de barcos foi usado em Viana do Castelo para a pesca da lagosta nos mares de Sines, conhecidos por barcos lagosteiros, tinham um porão com determinadas aberturas com o propósito de a água circular no mesmo de modo a manter as lagostas vivas por muito tempo, eram barcos movidos à vela com uma tripulação à volta de 8 pescadores.
Segundo relato de um antigo pescador, quiçá o mais idoso ainda vivo na zona ribeirinha de Viana, nos anos 40/50 ainda haviam 4 barcos deste tipo com os nomes de: S. José VI, S. Daniel, Maria Leonor e Trancoso (este por sinal reconhecível na 1ª foto) que pertenciam a uma sociedade de uma pessoa de Viana e outra de Espanha.
Estavam fora muitos meses a fim de pescarem a dita lagosta com umas redes conhecidas por "rascos" e quando regressavam transbordavam as lagostas para o barco maior que era o S. José VI, este por sua vez transportava as lagostas de todos para Espanha, talvez pelo facto de um dos sócios ser espanhol e concerteza por lá haver mais vantagens na venda do produto.»



publicado por cachinare às 14:18
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

4 comentários:
De Anónimo a 26 de Janeiro de 2013 às 18:40
Parabéns ao conterrâneo e amigo Fangueiro, por mais este excelente trabalho que acaba de dar à estampa.
Para além do muito, e bem, que aqui nos relata, poderei acrescentar que ainda em finais dos anos cinquenta, havia aqui na nossa costa, barcos destes a pescar com covos, aos quais os nossos pescadores chamavam de "cotas francesas".
Ora, como muito bem sabe quem lida com estas coisas, além das lagostas, os covos pescavam de igual modo caranguejos vários, como sapateiras, santolas, navalheiras, etc. as quais, para além das lagostas e (ou) lavagantes, que não lhe interessariam muito, para vender em lota.
Por tal motivo, os mestres de algumas das nossas chamadas motoras da pescada, tinham sempre a bordo umas garrafas de vinho do Porto, para quando vissem umas dessas ditas "cotas", as abordarem, e por sinalética com os "monsieurs", trocavam vinho do Porto por uns cestos de caranguejos com que viriam a fazer uma boa maré.
Nestas circunstâncias, além dos franceses, nunca contactei com portugueses, espanhois ou galegos.
Continuação de bom trabalho,
Al bino Gomes




De augusto chavarria a 27 de Janeiro de 2013 às 14:19
Amigo António, o prometido é devido e, está cumprido. Obrigado pelos esclarecimentos que o teu blogue hoje me proporciona.Eu tinha a certeza que as visitas que na companhia de meu pai àquele velho barco abandonado tinham razão de ser. As saudades de um homem do mar. Um abraço do amigo, A. Chavarria


De barcosdonorte a 7 de Fevereiro de 2013 às 23:19
Caro amigo, faz anos que cá por Viana comentamos a necessidade de se construir um destes barcos tão tipicos da bretanha Francesa e que fazem parte da nossa memória. Infelismente
falta a informação,planos etc etc.
parabens pelo excelente artigo como sempre.
Abraço e bons ventos.


De cvc a 11 de Março de 2013 às 22:44
Adorei o artigo, sempre os via mas não tinha ideia de sua historia. Muito obrigado por compartilhar!

Maria Joaquina, brasileira e mãe.


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Modelos construídos por António Fangueiro
últimos comentários
Na décadas 50/60 do século passado, este tipo de e...
António, é do meu conhecimento que em Viana, Vila ...
Uma imagem da antiga Nazaré, TÃO SUGESTIVA QUE É D...
Magnífica descrição da juventude daquele tempo..
Parabéns ao A. Fangueiro. De vez em quando emerge ...
Bom dia amigos ,pois a gente lê o que diz respeito...
Então, ora viva quem vier por bem.E quem não vier,...
Eram tempos em que a moçada do meu tempo de uma la...
Bom dia amigo, tenho um modelo do TITANIC com toda...
Bom dia amigo, tenho um modelo do TITANIC com toda...
Tags

a nova fanequeira de vila chã(37)

ala-arriba(44)

alan villiers(26)

apresentação(3)

aquele portugal(60)

argus(25)

arte marítima(339)

bacalhoeiros canadianos-americanos(54)

bacalhoeiros estrangeiros(42)

bacalhoeiros portugueses(190)

barcos tradicionais(164)

caxinas(52)

cultura costeira(31)

diversos(101)

fotos soltas(139)

galiza(6)

jornal mare - matosinhos(3)

memórias(25)

modelismo naval(25)

multimédia(106)

museus do mar(29)

pesca portuguesa(42)

póvoa de varzim(88)

relatos da lancha poveira "fé em deus"(12)

santa maria manuela(2)

veleiros(12)

vila do conde(63)

todas as tags

links
arquivos
Sondagem 1
Apoia o fim das Caxinas como .Lugar. ?
Não.
Sim, para Freguesia.
Sim, para Vila.
Sem opinião.
View Result
Free Poll
texas holdem
Caxinas ainda é .Lugar. porquê?
Não tem estatuto para mais.
Vila do Conde não o quer.
A população não está informada.
View Result
Free Poll
texas holdem