Domingo, 10 de Fevereiro de 2013
Pescadores da ilha da Madeira.

 

«Uma psicologia especial distinta da do resto da população madeirense, é a dos pescadores de todos os centros piscatórios do arquipélago. Apenas desmamados criam-se, por assim dizer, dentro de água, familiarizando-se com as ondas. Aos sete anos atiram-se para dentro dos barcos, adestrando-lhes os braços na força dos remos e o corpo nas vergastadas das vagas. Como bons marinheiros singram em todas as direcções, apoitam em todas as alturas; perdem de vista a terra, a família, a vida. Não há ano que não paguem ao mar o dízimo duma, não se vista de luto meia colónia e não saiam a esmolar dezenas de órfãos sem pão. Mas mal acabam de enterrar os náufragos duma tempestade, logo se metem ao mar afrontando os elementos ainda em fúria que os matou.
Aglomerados em colónias, os pescadores formam como que uma classe à parte da restante população. Isolam-se na sua vida, costumes, dialecto e  conceitos sociais. em todos os centros piscatórios há bairros próprios, por eles escolhidos livremente, onde a sua existência é hereditária em tudo, desde a posse das habitações à herança das alcunhas. [...] Estes Bairros notam-se em toda a parte por serem velhos, sujos e miseráveis; é sua feição característica e invencível contra o progresso e contra a lei. Fechando o círculo do seu isolamento, os homens agrupam-se às companhas em terra como no mar, e as mulheres trabalham e convivem dentro dessa afinidade.
Pobres, humildes, boçais e geralmente analfabetos, os pescadores limitam suas ambições aos estreitos horizontes do bairro e da família: o pão de cada dia, uma casa e um barco são as suas maiores aspirações. Têm entretanto consciência da sua inferioridade não se conformando com esse desnível social, pelo que são  invejosos e maldizentes das outras classes, A alma, todavia, é grande e generosa, aberta e larga como o mar. A vida doméstica, que tem por hábitos de colmeia, dá-lhes solidariedade e independência, personalidade e carácter. Compartilham da vida em comum como do sentir e haveres; socorrem-se uns aos outras em todas as necessidades. São simples, pacíficos e bons, mas ofensa feita a um é fogo ateado em toda a colónia, e nada os intimida nem contém: armam-se de fisgas e navalhões, atiçados os homens pelas mulheres, e unidos todos em massa para a morte ou para a vida, para o que der e vier. Ciosos da sua boa fé, do honrado proceder da sua classe e da solidariedade geral, vingam todas as afrontas em comum. Rudes e impetuosos como o mar, não são subservientes nem tartufos para ninguém. Apesar de honestos, concebem a moral sem certos prejuízos e preconceitos e a promiscuidade da vida a que os obriga e habituou sua condição social, não afronta a morigeração geral dos costumes.
O contacto com a imensidade do oceano, com a grandeza das tormentas e com os mistérios do infinito, fez do pescador um contemplativo e um crente, duma fé arreigada e fortalecida pelo mar, porque este todos os dias lhes levanta o pensamento para Deus e invoca-O em horas de perigo e bendizendo-O de mãos postas, em horas de felicidade.[...]

 


Os santos patronos  dos pescadores são seus companheiros de todas as horas e viagens, pendentes do pescoço em medalhas e escapulários, cosidos ao surrão dos casacos, lembrados nos nomes dos barcos e invocados em horas de tormenta. Não deixam, no entanto, de ser tão supersticiosos como devotos: de mistura com imagens de santos usam bentinhos ou defesas contra feitiços; à bênção de cada barco juntam um chifre de boi contra o mau olhado; quando voltam do mar sem peixe, procuram mulher de virtudes para desenfeitiçar os aparelhos.
O trabalho é para os pescadores uma necessidade como a assistência mútua um dever. O lucro pingue ou magro, reparte-se em quinhões não esquecendo o mealheiro dos inválidos e doentes, muito embora venham a adoecer de privações os que os socorrem. As economias, porém, que o pescador devia guardar em seu proveito, consome-as em álcool, muitas vezes em prejuízo da família, chegando até a penhorar para o mesmo fim trabalho e dinheiros futuros. [...]
Não se conhecem os pescadores senão por alcunhas e, com o mesmo desrespeito com que se chasqueiam e insultam ridicularizando qualidades físicas e morais, assim falam. Falam e praguejam à mistura. O juramento em nome de Deus e dos santos patronos, a cuja invocação se descobrem respeitosamente, abona duma maneira irrefragável todas as afirmações.»

Eduardo C. N. Pereira, “Ilhas de Zargo”, 1957.

 

Um belíssimo texto via blogue "É uma ilha em forma de cão sentado".

imagens – Câmara de Lobos, ilha da Madeira.



publicado por cachinare às 15:31
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

1 comentário:
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2013 às 12:11
Tão belo quanto real, é este texto sobre os pescadores madeirenses, nomeadamente os de Câmara de Lobos, que tal como aconteceu em Rabo de Peixe, nos Açores, com eles tive oportunidade de conviver uns dias, em tascas e tasquinhas, e por ali bebendo umas pinguinhas...
Ocasiões únicas, para evocação das nossas Caxinas e Poça da Barca de outras eras, antes dos nossos pescadores terem a oportunidade de ir marear ao serviço de outros países e, sobretudo, de outras gentes...
Exceptuando os tempos idos da caça à baleia, então efectuada pelos navios americanos e outros, menos afortunados são os nossos ilhéus, que permanecem bastante isolados no meio do oceano.
E nos Açores, infelizmente, quantas vezes mais rodeados de álcool do que de água...
Para os amantes destas nossas «marintimidades»,
aconselhamos uma atenta visita...
Al bino Gomes




Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Modelos construídos por António Fangueiro
últimos comentários
Como definir em palavras o prazer que tenho em ler...
Todas estas embarcações tradicionais, a par dos tr...
Quando no já longínquo ano de 1957, vi pela primei...
Esta impressão correspondente a uma reportagem nu...
é interessante que esta traineira foi adquirida em...
A bandeira azul é um negócio e uma vaidade. Para o...
Sou filho e neto de pescadores. Na Praia do Carvoe...
Curioso ver que os moliceiros de 2º plano não apre...
César Abbott foi um grande aguarelista nascido no ...
César Abbott foi um grande aguarelista nascido no ...
Tags

a nova fanequeira de vila chã(37)

ala-arriba(44)

alan villiers(26)

apresentação(3)

aquele portugal(66)

argus(25)

arte marítima(345)

bacalhoeiros canadianos-americanos(54)

bacalhoeiros estrangeiros(42)

bacalhoeiros portugueses(192)

barcos tradicionais(166)

caxinas(52)

cultura costeira(32)

diversos(107)

fotos soltas(139)

galiza(6)

jornal mare - matosinhos(4)

memórias(25)

modelismo naval(26)

multimédia(108)

museus do mar(30)

pesca portuguesa(42)

póvoa de varzim(88)

relatos da lancha poveira "fé em deus"(12)

santa maria manuela(2)

veleiros(12)

vila do conde(63)

todas as tags

links
arquivos
Sondagem 1
Apoia o fim das Caxinas como .Lugar. ?
Não.
Sim, para Freguesia.
Sim, para Vila.
Sem opinião.
View Result
Free Poll
texas holdem
Caxinas ainda é .Lugar. porquê?
Não tem estatuto para mais.
Vila do Conde não o quer.
A população não está informada.
View Result
Free Poll
texas holdem