Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
Navegarás e encantarás.
Uma recente entrevista efectuada pelo Diário de Aveiro a Aníbal Paião, representante da empresa que adquiriu o Santa Maria Manuela, revela as bases em que se está a solidificar o projecto da recuperação do belíssimo lugre e mostra o cuidado com que se está a iniciar a longa caminhada até ao dia do bota-abaixo.
Neste momento está em curso a mais básica das fases sem a qual seria impossível prosseguir e que é a inspecção ao máximo pormenor de todo o casco, nos seus mais de 62 metros de comprido. Levará o seu tempo, mas a partir daqui será criado o plano de reconstrução. Não existe ainda estimativa do tempo total de recuperação do navio e muitas são as intenções e ideias a pôr em práctica no futuro, muita coordenação e estudo das melhores alternativas, pois é certo e sabido pelas gentes da região de Aveiro que o Santa Maria Manuela será o início de algo muito grande para o futuro de todos eles, bem como para Portugal como nação marítima que é.
O navio será primariamente um prestador de serviços e terá de ser auto-sustentável. Estará virado para o turismo marítimo para além de cooperação científica e educação. Tendo nascido com funções de árduo trabalho e longas viagens, está-lhe “nos rebites” o percorrer de muitas milhas e irá a qualquer sítio no mundo quando necessário.
Recente aquisição na equipa de trabalho do SMM é o director da Fábrica Ciência Viva, Paulo Trincão, cuja experiência nas áreas da ciência e cultura em consonância com a Universidade de Aveiro é da maior valia. Segundo afirma, o projecto é de enorme dificuldade e necessita de apoios, mas mesmo que os mesmos não surjam, o trabalho será feito. O seguinte excerto de Paulo Trincão exprime a grandeza do que representa o SMM e demonstra que a vontade comanda a vida: “É um navio transatlântico, que pode ir a qualquer parte do mundo. Pode ir às Galápagos ou à Antártida, e há-de ir. Não é apenas um navio para estar parado e ser visitado, é para navegar, para andar no mar e ter outro tipo de vivências. A sua reconstrução não é de faz-de-conta, é para funcionar”.
Tivesse Portugal mais homens com esta vontade e... enfim, não é altura para “politiquices” e tristezas.
Deixemos pois o tempo correr e os homens a trabalhar no que sabem, pois obra bem feita tem de levar o seu tempo, mas não páro de pensar no dia em que com toda a pompa e circunstância, o Santa Maria Manuela vai voltar a desfraldar as velas e tudo farei para lá estar, para navegar nele um dia, dê por onde der, custe o que custar. Limpo as casas-de-banho todos os dias se for preciso. Portugal ficará mais rico, mais equilibrado com o Creoula com casa a Sul e o SMM a morar no Norte. Até lá... continuarei a vasculhar assíduamente os media por novidades e avanços.
 
A base deste post pode ser encontrada em maisilhavo.
A foto, com a devida vénia, é pertença de Pedro Ribau.


publicado por cachinare às 14:50
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...
Conforme já referi algures, no próximo Sábado, 23 ...
Na verdade, típico é os nossos vizinhos da Póvoa ...
Belo quadro pintado ,dois botes um a vela e outro ...
Outros tempos ,diria mesmo meus tempos de rapaz ,o...
Pois ,nesse estado bem bebido até a sua sombra ele...
Ver está foto, salta-me muitas saudades de ouvir m...
Pescador da Nazaré ,homem do antigamente ,com traj...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos