Domingo, 23 de Novembro de 2008
Arte marítima.

Accostage Difficile”  -  Georges Philibert Maroniez

 
Gravura de uma pequena comunidade piscatória algures na Bretanha, França por inícios do séc. XX, mostrando a dificuldade de um pequeno barco em fazer-se à praia e o desespero de quem presencia e pouco pode fazer. A aparente serenidade dos dois homens sentados à direita denota o quão frequentes eram estas situações de quem vai ao mar para não passar fome, mesmo em dias que ameaçavam temporal.


publicado por cachinare às 11:33
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De jaime pontes a 31 de Janeiro de 2009 às 15:10
Mais uma foto que me fás recordar algumas das veses na nossa praia quando de mar vivo como se dis cá nas caxinas . Lembro-me de varias ócasiões que vou narrar ! Uma certa tarde de fevereiro ,uma catraia quase lancha não podia entrar na barra da Povoa derivado ao mar que partia na barra e veio para a barra das caxinas «éra o Teu Zé Molinho de ramalhão homem que conhecia bem a entrada das caxinas porque já tinha vindo mais vezes ca para as caxinas » então o mar era mesmo vivo o povo começou a correr a praia como de costume ,e preparando se para o pior esperaram que o barco entrásse o que veio aconteçer ,só que apanhou bastante mar o que fês perigar a lancha que em vês de vir até a praia normal não ,atirou a lancha mais a sul praia do salva vidas mesmo assim com o povo das caxinas ´ já preparado muita gente ,com familiares da povoa a mistura quando o barco numa carreira em sima da onda veio mesmo pela praia acima o resto fês o povo ,devo dizer que o barco com muita agua dentro com a força do povo amarrados ao estai que era o cavo de barar! ! o barco veio prá cima num ápice, ficou varado cá em sima sem os homens sairem do barco coisa que a rapasiada da Povoa apreciava muito nos caxineiros . Também num certo dia de mar vivo eram tres barcos de Aver O Mar que estavam fora da barra da Povoa vinham da faneca e como o mar era muito lá resolveram vir pra barra das caxinas que por sinal dava entrada ,então a rapasiada das caxinas quando se aperceberam deitaram uma das catraias abaixo e foram como de costume fazer de salva vidas só que os barcos chegaram proximos a barra e como não conheciam não entraram então a catraia salva vidas saiu e foi lá ter com eles e como levavam homens capases saltaram um homem cada barco para orientar a entrada ,e felismente correu tudo bém ,eu lembro-me das mulheres e familiares dos pescadores da Aver O Mar ,que gritavam ,ó gente santa ó gente de caxinas ,gente boa assim se passaram muitos episodios neste lugar de caxinas .,gente que parecem de bronze a andar na areia da praia , a minha homenagem a todos os homens do mar ...um abraço ...Jaime Pontes de Caxinas...


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Na verdade, tão belo quanto elucidativo este quadr...
Mas que beleza de foto ou pintura que retrata bem ...
Aproveitando a ocasião, sugiro a todos, pescadores...
Na verdade, tal como diz o Jaime Pontes, esta pose...
Claro que como demonstração tá tal e qual mas ,não...
Tal como se fosse um «filho pródigo», 7 meses depo...
é com orgulho e admiração que leio e recordo este ...
Esta bela foto retrata bem o que eram os tempos an...
Mais de um ano depois, volto aqui (ao blog), e li ...
é de facto interessante, mas .... o que caracteriz...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos