Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014
Português construiu veleiros que recuperam o traço dos antigos lugres bacalhoeiros portugueses.

sean paquito IV lisboa

 

«João Paquito esteve emigrado na África do Sul e construiu os seus barcos com as suas próprias mãos. O maior, e mais especial de todos, tem 38 metros.

O “Sean Paquito IV” até podia ser um veleiro igual a tantos outros, não fosse a história e a paixão de quem o construiu com as suas próprias mãos. De facto, este barco de 38 metros de comprimento distingue-se entre os muitos veleiros que as reconhecidas marcas de construção naval vão lançando para o mercado pela evocação, assumida, dos antigos lugres bacalhoeiros portugueses. E por ser um barco feito por um homem só. Um português que emigrou para a África do Sul e que acabou por se lançar no mundo da construção naval como autodidacta.

Tudo começou em 1971, por ocasião de uma travessia de veleiros entre Capetown e o Rio de Janeiro. "Vendo tantos barcos a fazer a travessia, qualquer coisa em mim me disse que eu também tinha de ter um. Mas como tinha de trabalhar para sustentar a família, entendi que a melhor maneira seria comprar livros de construção naval, observar outros, e construir eu o meu barco", relata João Paquito.

Nessa altura, este emigrante era "soldador e serralheiro de profissão", experiência que até lhe facilitou a tarefa de concretizar o seu sonho. "O problema maior eram os meus amigos a dizer que eu nunca acabaria o barco", recorda. O destino acabou por confirmar que os seus amigos não tinham razão, pois João Paquito construiu não apenas um, mas seis barcos "cada vez de maiores dimensões". "Apenas eu, com a ajuda de dois empregados que limpavam e me davam as ferramentas de que eu precisava", atesta. A intervenção dos técnicos qualificados só ocorria na fase final, com "o arquitecto e os engenheiros que faziam o teste de flutuação e inclinação", refere ainda João Paquito.

 

sapphire ex sean paquito IV

 

A sua opção recaiu sempre por construir réplicas dos antigos bacalhoeiros portugueses, acima de tudo pela "beleza e linha destes barcos" cujo imaginário nos conduz "àquela era em que os homens tinham uma enorme coragem. Estes barcos eram realmente a bóia de salvação para as suas vidas naqueles mares", evoca.

O mais especial de todos os barcos que construiu foi, de facto, o “Sean Paquito IV”, que concluiu em 2009, ainda na África do Sul. João Paquito confessa que este veleiro "é o culminar de todos os outros" ao nível das especificidades técnicas e também da acomodação.

Depois de regressar a Portugal, o destino trocou-lhe as voltas - além dos seus 70 anos já convidarem à reforma, João Paquito e a família tiveram também de enfrentar o acidente e a consequente necessidade de cuidados especiais do seu filho -, obrigando-o a passar o “Sean Paquito IV”

adaptado do artigo de Maria José Santana – PÚBLICO

Na segunda foto é possível ver o “Sean Paquito IV” já com novo dono e novo arranjo, bem como um novo nome, “Sapphire”.

foto 1 – Vitor Guerra.

foto 2 - CNI.



publicado por cachinare às 08:47
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Jaime Pião a 19 de Dezembro de 2014 às 14:06
Parabéns ao Sr João Paquito pela realização do seu sonho ,e tratando-se de construir veleiros com os traços dos três cisnes brancos ,o Árgus Creoula e Santa Maria Manuela ,realmente é uma cópia real desses belos veleiros ,julgo ser uma grande façanha do Sr João Paquito !!!!!!


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...
Salvo melhor opinião, julgo que esta imagem do gra...
Queria saber Quem deu o nome ao barco
Olá amigo Bino ,tens razão afinal a minha confusão...
Olá amigo Jaime,Tudo bem no teu comentário, except...
Santa Maria Manuela ,um dos três cisnes brancos .J...
Joana tu és filha dá Zuliminha, minha prima, e irm...
Eu sou neta de Salvador Carvalho e filha de Salvad...
Bela foto de outros tempos aqui fala em anos 30 ,p...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos