Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015
Rede da Cultura dos Mares e dos Rios quer salvar embarcações tradicionais.

«Esposende assume este domingo (16-11-2014) a presidência desta associação e organiza debate sobre a “libertação da via da água” para embarcações antigas.

Preservar uma embarcação tradicional pode ser uma dor de cabeça. Apesar de serem parte importante de uma cultura que exprime a relação das comunidades ribeirinhas com rios, estuários e mar, os entraves colocados à sua circulação deixam os proprietários quase de mãos atadas.

catraia santa maria anjos esposende flyer

A Assembleia da República aprovou, no ano passado, uma recomendação para que o Governo legisle na defesa da autencidade e funcionalidade deste património, mas, em vésperas de mais um Dia Nacional do Mar, que se celebra este domingo, os subscritores do Manifesto para a Libertação da Via da Água duvidam que, nesta legislatura, algo seja feito nesse sentido.

Esta questão foi colocada na agenda parlamentar muito por pressão de um conhecido cientista, o professor Fernando Carvalho Rodrigues, entusiasta, dono de uma canoa e presidente da Associação dos Proprietários e Arrais das Embarcações Típicas do Tejo.

O homem que ficou conhecido como o pai do primeiro satélite português, é um dos dinamizadores da Marinha do Tejo e estará este domingo, às 10h, em Esposende para acompanhar os trabalhos do quarto encontro da Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, no qual fará, pelas 14h30, uma intervenção sobre os problemas que afectam quem vem, há anos, salvaguardando este património flutuante.

Para um dos fundadores da rede, o Almirante José Bastos Saldanha, da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL), se não for criado um regime específico para estas embarcações antigas, que olhe também para a escassez de pessoas com conhecimentos de carpintaria naval, a preservação de um vasto património espalhado por todo o território pode ser posta em causa. Por isso, é com alguma ansiedade que os membros desta organização esperam a intervenção do secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, na outra sessão comemorativa que, na segunda-feira, se realiza na SGL.

catraias esposende cavado antiga

Catraias, catraios, canoas, faluas e outros
Só no estuário do Tejo, graças aos esforços de particulares e associações, há 70 embarcações, entre catraias e catraios, canoas, faluas e outras tipologias nas quais se incluem o varino. Marca de um tempo em que a casca de carvalho era trazida da ria de Aveiro, para a cozedura (encascamento) das redes dos pescadores do Tejo, e esses barcos não faziam já a viagem de regresso.

Costa acima não faltam exemplares de outras tipologias, em quase todas as comunidades, e este domingo é lançado um selo com uma representação da catraia de Esposende, que continua a navegar graças aos esforços do Forum Esposendense. Esposende, que sucede à Póvoa de Varzim na liderança da rede nacional, quer dar visibilidade a esta organização que mantém um certo cunho informal desde a aprovação do manifesto que lhe deu origem, assinado em 2004, na Nazaré, por várias organizações impulsionadas pela SGL.

Nos últimos dois anos, a Póvoa de Varzim – que preserva uma réplica da antiga Lancha Poveira –, conseguiu dar algum fôlego a esta entidade, realizando ao longo de dois anos, um conjunto significativo de acções, mas, como nota o presidente da Câmara de Esposende, falta à rede um cunho verdadeiramente nacional, que a leve a atrair todos os municípios marginados por rios ou mar.

Benjamim Pereira, lembra que o seu concelho também tem provas dadas na valorização do património cultural ligado ao mar e aos rios - seja nas festas, como a de São Bartolomeu do Mar, nos encontros de embarcações, na arqueologia naval ou em tradições como a da apanha de sargaço – e espera poder trocar experiências com outros concelhos e organismos.

“Não pretendemos ensinar nada a ninguém, acreditamos é que há muita gente a trabalhar bem e que precisamos de juntar esforços para aprofundar conhecimento e, claro, aproveitar o potencial turístico que esta temática encerra”, explicou o arquitecto que, desde Outubro de 2013, lidera o município de Esposende. Já este ano, a cidade acolheu vários encontros importantes na área da arqueologia naval e da defesa da orla costeira.

moliceiro ria aveiro lindo
Rede deve aproveitar fundos comunitários
O presidente da Câmara de Esposende, Benjamim Pereira, acredita que a Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios pode ter um grande papel na defesa de um património imaterial importantíssimo, que precisa de ser estudado e “materializado” em estudos, documentários e outras acções que valorizem este activo. Para o autarca, os municípios e entidades envolvidas na rede devem definir três ou quatro áreas prioritárias de intervenção - e as embarcações tradicionais são uma delas - e procurar, desde logo no programa Portugal 2020, fundos para financiar os trabalhos a levar a cabo. Um dos projectos que já está a ser desenvolvido, e que brevemente estará disponível, é uma enorme base de dados da bibliografia ligada ao mar, na literatura e em diversas áreas de estudo, que foi idealizada e montada pelo sociólogo João Freire e que está agora a ser desenvolvida pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, sob a coordenação da historiadora Inês Amorim.»

Por Abel Coentrão in PÚBLICO

foto 2 – Forum Esposendense

foto 3 – Blogue ahcravo



publicado por cachinare às 21:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Uma das formidáveis pinturas de Almada Negreiros, ...
sou de Nazare gostava de saber o meu estorial de 1...
....................COMEMORAÇÕES DO DIA DA MARINHA...
Esta réplica do Vila do Conde, participou em vário...
Pois é exactamente tal como acima se diz.Depois de...
Boa tarde , com respeito a foto aqui presente eu j...
Salvo melhor opinião, julgo que esta imagem do gra...
Queria saber Quem deu o nome ao barco
Olá amigo Bino ,tens razão afinal a minha confusão...
Olá amigo Jaime,Tudo bem no teu comentário, except...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos