Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018
Aquele Portugal.

 

A luz da Nazaré.



publicado por cachinare às 21:45
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 31 de Outubro de 2018
Arte marítima.

William Edward Webb - Sunrise

“Sunrise” - William Edward Webb



publicado por cachinare às 21:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 13 de Outubro de 2018
A preto e branco.

pvz APastor 1953 0006_M

Belíssima imagem da autoria de Artur Pastor, na praia do peixe poveira em 1953. Por detrás dos velhos pescadores locais, é possível admirar o seu principal instrumento de trabalho e vida, as inúmeras catraias e batéis de cores, simbologia e invocações tão variadas.



publicado por cachinare às 20:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018
Lanchas volanteiras - 1880

 
Para um aficionado da arquitectura naval dos antigos barcos de pesca portugueses, especialmente dos da minha terra, Poça da Barca / Póvoa de Varzim, esta foto encontrada há tempos é uma das mais extraordinárias que jamais vi sobre o tema.
Mostra-nos a ribeira da comunidade piscatória de A Guarda, na Galiza, situada perto da fronteira com o rio Minho. O ano indicado é o de 1880, sendo pois a imagem mais antiga que conheço onde se vêem barcos de pesca da tipologia “poveira”. A Guarda tem um antigo historial de contacto com a Póvoa e sua gente que lá rumava todo os anos em pregrinação e era comum antigamente o casamento entre galegos e nortenhos,
Estas lanchas na foto eram as famosas “volanteiras”, bem conhecidas também por Caminha, Gontinhães ou Viana do Castelo e nota-se ainda nalgumas detalhes de uso do 2.º mastro. Embora practicamente não seja referido hoje em dia quando se fala do “barco poveiro”, houve tempos em que estes barcos armavam 2 mastros, nomeadamente os de maior porte. Nota-se na foto também a não existência dos “corredores” laterais e as proas um pouco menos lançadas que nos barcos portugueses.
Esta foto faz parte de um grande espólio disponível na internet sobre a Memória do Mar da Galiza, cujo link está abaixo. Vale a pena a visita.
 
foto de A Memória do Mar – Galiza


publicado por cachinare às 21:01
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 20 de Julho de 2018
Aquele Portugal.

 

 

Há quem se admire hoje em dia como antigamente as mulheres carregavam “tudo” à cabeça, fosse peixe, batatas ou uma garrafa de gás! Aqui os cestos vão vazios, mas por certo voltariam à cabeça quando cheios. Outros tempos, outra têmpera.

 



publicado por cachinare às 18:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 17 de Junho de 2018
Arte marítima.

Gastón Castelló - Cuadro

A vida dos Pescadores de Alicante, sudoeste de Espanha.

“Cuadro” - Gastón Castelló



publicado por cachinare às 21:49
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 22 de Maio de 2018
"Por Entre as Brumas de Newfoundland".

brumas newfoundland romance 2.png

 «Numa demanda por dar um rumo à sua vida e marcado pela memória do avô António que pescara bacalhau à linha num dóri, nos Grandes Bancos da Terra Nova e da Gronelândia, Vasco decide viajar até à cidade de St. John's, Newfoundland. Nas águas canadianas, o avô vivera a traumática experiência de se perder no nevoeiro. Uma carta de um pescador, nunca lida até ser encontrada, mais de quarenta anos depois de ter sido escrita, levanta questões a que Vasco quer dar resposta, na tentativa de colmatar um elo quebrado da história. Um romance que pretende ser uma homenagem a todos aqueles que viveram as duríssimas campanhas da pesca do bacalhau, bem como um tributo à arte da pesca solitária nos dóris e à Frota Branca portuguesa.»

 

Este é mais um reflexo da emotiva epopeia da pesca do bacalhau levada a cabo pelos pescadores de Portugal, retratada no formato de romance e que nunca é demais ser explorada no papel que teve tanto para portugueses como para estrangeiros, nomeadamente as gentes de São João da Terranova.

Esta belíssima obra de Fernando Teixeira mostra-nos uma das fotos mais emblemáticas de Alan Villiers na capa, o lugre "Aviz" cerca de 1950, em "descanso" no nevoeiro do Atlântico Norte.

É um livro que pode ser adquirido em formato digital ou impresso, através do respectivo website: https://fernandojteixeira.wixsite.com/website-2  



publicado por cachinare às 22:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 16 de Maio de 2018
A preto e branco.

pvz APastor 1953 0007_M

Uma jovem moça das gentes do mar da Póvoa de Varzim, lava e acama vários peixe-espada brancos depois de os lavar na água do mar. Precisamente deste local onde ela se encontra, guardo belíssimas memórias da minha infância nos anos 80, quando o peixe ainda era aqui trazido pelos barcos e levado para a velha lota pelas mulheres. Foto de Artur Pastor, 1953.



publicado por cachinare às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 13 de Março de 2018
O navio-motor “Pádua”.

Tendo recebido nos últimos dias algumas visitas ao blogue vindas de Aberdeen, na Escócia, por certo de algum emigrante português, tal lembrou-me desta imagem há muito à espera de ser mostrada. Trata-se do arranjo geral do navio bacalhoeiro “Pádua”, construído precisamente em Aberdeen no ano de 1947, nos estaleiros de Hall Russel Ship Builders. Este navio para a pesca do arrasto foi a sua construção nr. 799, estaleiros estes que iniciaram construções em 1864 e fecharam portas em 1992.

Este navio em aço de cerca de 67 metros de comprimento, 11m de boca e 5m de pontal, deslocava 1.296 toneladas brutas e o seu armador foi a Empresa Comercial e Industrial de Pesca (PESCAL) de Lisboa. Em 1968 receberia o nome de “Aida Peixoto” e voltaria em 1980 ao original “Pádua”.
Os seus dias terminariam em 1991, possivelmente desmantelado (não confirmado), na onda de muitos outros nos inícios dos anos 90, por directivas comunitárias na sua maioria. Uma das suas poucas fotos existentes é esta, do Museu Marítimo de Ílhavo.
No link abaixo é possivel descarregar uma imagem maior deste arranjo geral do navio, onde é possível ver em detalhe como se dividiam os vários compartimentos, desde o local dos porões do peixe, a onde se guardava o vinho, o rancho da tripulação, ou os enormes depósitos de fuel. Algo que poderá ajudar os modelistas navais que hoje em dia se vão apercebendo cada vez mais dos muitos e interessantes navios da frota bacalhoeira portuguesa. É preciso pegar neles, estudá-los e torná-los visíveis de novo hoje em dia, na arte do modelismo.
 
“Pádua” – arranjo geral.


publicado por cachinare às 22:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
Arte marítima.

Hans Gude The Fjord at Sandviken 1879

A Suécia, em todo o seu esplendor.

“The Fjord at Sandviken, 1879” - Hans Gude



publicado por cachinare às 21:16
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018
A preto e branco.

pvz APastor 1953 0026_M

Na antiga “Roda do Peixe”, as pescadeiras vendiam o seu peixe no areal da praia dos pescadores da Póvoa de Varzim. Magnífica pescada e variados peixes, exemplo da riqueza dos mares que os poveiros percoriam. Foto de Artur Pastor, 1953.



publicado por cachinare às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 31 de Dezembro de 2017
Aquele Portugal.

 

A bonita Armação de Pêra, Silves, Algarve.



publicado por cachinare às 17:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
Arte marítima.

Jack Lorimer Gray - On Misaine Bank 1950

A pesca ao bacalhau nas antigas escunas norte-americanas, aqui no Banco de Misaine, ao largo da Nova Escócia, Canadá.

“On Misaine Bank, 1950” - Jack Lorimer Gray



publicado por cachinare às 21:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 30 de Novembro de 2017
A preto e branco.

PT-CPF-EL-000248_m0001_derivada

A bordo do lugre-patacho “Gazela Primeiro”, nos anos 50 um pescador demonstra como se apanhava bacalhau “à zagaia”, instrumento de pesca que não usava isco, atraíndo o bacalhau pela sua chumbada em forma de peixe. Foto de Eduardo Lopes.



publicado por cachinare às 19:21
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quinta-feira, 9 de Novembro de 2017
A Gamela de A Guarda – Galiza.

 

A Gamela de A Guarda na Galiza, é uma das embarcações mais antigas que se conhece nesta região das Rias Baixas, sendo provavelmente o barco de mais fácil construção e menor custo na vertente tradicional. De tamanho considerável e formas primitivas, destaca-se a facilidade com que é varada para o areal ou puxada para o mar. Compreendendo cerca de 5 metros de comprimento e boca de 2 metros, eram construídas inteiramente em madeira de pinho, a qual na actualidade foi substituída pelo contraplacado marítimo. Sem cavernas, incluem 3 bancos e carlinga para o mastro, chamaceiras para até 6 remos e vela do tipo bastarda ou poveira.

Tradicionalmente, eram pintadas com uma mistura de 14 quilos de breu, 2 de alcatrão, 1 litro de óleo de sardinha e 2 quilos de polvo vermelho. Dando-se a mistura por dentro e por fora da embarcação, esta era a receita da antiga querena, sendo por isso o tom geral da mesma o vermelho que é possível ver nas fotos.
Nos tempos actuais, são pintadas de diversas cores e outros desenhos, perdendo-se deste modo as marcas tradicionais que se usavam nas suas popas. Usando agora um motor fora-de-borda que substituíu as velas e os remos, os pescadores actuais usam também um alador para facilitar o puxar das redes, o qual varia conforme a época e tipo de faina.
Esta embarcação restringe-se quase exclusivamente à comunidade de A Guarda.
 
fonte + fotos: modelismo naval. Inclúi diversas fotos desta embarcação.


publicado por cachinare às 21:16
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017
Aquele Portugal.

 

Uma imagem muito antiga de Buarcos, onde se podem ver três das suas embarcações de pesca da altura, todas elas bem distintas. Da esquerda para a direita, um batel do alto belamente ornamentado, uma bateira em grande plano, e o que parece ser um barco do tipo poveiro ao fundo à direita.



publicado por cachinare às 20:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Espectacular mesmo!
Bom dia meu amigo Albino e a todos os que por aqui...
Pena é que aí no lugar de Caxinas e Poça da Barca ...
Boa tarde ou boa noite ,cumprimentos a todos que p...
Parabéns ao A. Fangueiro por nos trazer à liça mai...
Gostei e gosto muito de fotos reais como esta e ou...
Caro AmigoSó hoje tive oportunidade de ler sobre "...
Em relação à acima referida «tipologia poveira», ...
Aqui bem perto na Nazaré, correto? Bela fotografia...
Desculpe, o bisavô ou tios-avós têm a ver com a Sa...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos