Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
E o sonho (outro) cumpriu-se – O “Argus” É NOSSO.

Isto de se ter sonhos e de os ver realizar-se não acontece todos os dias, nem todos os anos e para a maioria de nós, acabam por nunca se realizar. Alguns desses meus (e doutros) sonhos têm a ver com navios, navios especiais, navios brancos em aço da mítica pesca ao bacalhau que impressionavam todos os que por eles passavam. Desses 3 navios únicos nesta classe, o “Creoula” há vários anos que encanta como navio da Marinha Portuguesa. O “Santa Maria Manuela” estará pronto no final deste ano de velas ao vento e faltava o 3º, o imponente e famoso “Argus”, (“Polynesia II”) encostado e apresado numa pequena ilha das Caraíbas com fim negro à vista e substancialmente alterado do aspecto que tinha como bacalhoeiro.

Desde Agosto de 2007 que sigo a sua situação através de fóruns e o que li há um mês atrás sobre uma “entidade portuguesa” ter adquirido o navio noutro leilão em Aruba, fez-me suspeitar de quem poderia ser tal “entidade”. Pois ontem e hoje confirma-se nos media que o “Argus” é de novo NOSSO!  e essa entidade só podia ser a Pascoal & Filhos, dos poucos que sabem o que estes navios significam para Portugal e para os humildes que neles pescavam durante 6 meses, aos milhares de todo o Portugal. A Pascoal e Ílhavo estão a trazer vida a essa memória melhor que ninguém.
Portugal era único país no mundo que possuía uma escuna de 4 mastros no activo, o “Creoula”. Agora possúi 3, gémeas e com um passado e beleza que lhes vai trazer de novo a fama mundial.
 
«Irmão do “Creoula” e do “Santa Maria Manuela”, este lugre ficou imortalizado no documentário “A Campanha do Argus”, realizado em 1950 por Allan Villiers.
Aquele que foi um dos mais emblemáticos navios bacalhoeiros portugueses, o “Argus”, deverá, em breve, regressar a Portugal, depois de ter estado cerca de 30 anos nas Caraíbas a cumprir cruzeiros turísticos. O veleiro que ficou imortalizado no documentário “A Campanha do Argus”, da autoria de Alan Villiers, acaba de ser comprado pela empresa Pascoal & Filhos, que já tem em mãos o projecto de recuperação de um outro veleiro histórico nacional, o “Santa Maria Manuela”.
Apesar da administração da empresa Pascoal & Filhos SA "não confirmar nem desmentir" a aquisição do “Argus”, o PÚBLICO sabe que o navio, que ultimamente recebia o nome de “Polynesia II”, foi adquirido pela firma de Ílhavo em Aruba, estimando-se que regresse a Portugal nos próximos meses. Resta, agora, saber que projectos terá o armador de Aveiro para aquele que foi um dos lugres mais imponentes da que ficou conhecida como The Portuguese White Fleet (Frota Branca) e que acabou por vir a ser projectado internacionalmente por força da reportagem realizada por Alan Villiers - que acompanhou, em 1950, uma viagem do “Argus” aos bancos da Terra Nova (e Gronelândia).
Este veleiro histórico é também reconhecido por ser "irmão" dos lugres “Creoula” e “Santa Maria Manuela”, tendo sido construído na Holanda, em 1939. Muito embora o seu desenho seja em tudo idêntico ao dos seus irmãos, o projecto do “Argus” já compreendeu algumas alterações e melhoramentos. Andou na pesca do bacalhau até 1970, acabando por ser vendido para o estrangeiro em 1974, tal como aconteceu, em 1971, com o “Gazela Primeiro”, outro dos veleiros emblemáticos da frota portuguesa - este último encontra-se em Filadélfia, nos Estados Unidos da América.
Com esta aquisição do “Argus” por uma firma nacional, a memória da epopeia dos portugueses na pesca do bacalhau - em especial, a da faina maior, feita nos pequenos dóris por um só homem - poderá, a médio prazo, ganhar um novo testemunho vivo. Além do “Creoula”, que está entregue à Marinha portuguesa, e do “Argus”, brevemente o país passará a contar com o “Santa Maria Manuela”, que está já a ser recuperado pela Pascoal e Filhos SA, depois de ter sido adquirido à fundação que detinha o casco do navio e que nunca chegou a conseguir arranjar verbas para a sua requalificação.
As últimas estimativas apontam para que o navio fique totalmente reconstruído em Outubro deste ano, sendo que a aposta passa por transformá-lo num navio de treino de mar, promotor da cultura científica, e promotor da história e vocação marítima dos portugueses. A esta altura, a recuperação do “Santa Maria Manuela” avança já a passos largos num estaleiro da Galiza, depois de ter sido alvo dos primeiros trabalhos em Aveiro, desconhecendo-se ainda os números que estão envolvidos nesta operação.»
in Público, 26.02.2009 – adaptado.

 

 

O "Argus" já tem um blogue, tal como o "Manuela", e o nome é perfeito:

 

The NEW Quest of the Schooner "Argus"

(A NOVA Campanha do "Argus")



publicado por cachinare às 08:34
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Como corroborando o acima dito no último paragrafo...
Pode me falar alguma coisa sobre meu parente, ANTO...
Em relação ao seu comentário, pergunto: O nome do ...
Boa tarde.O Hugo tem precisamente o mesmo problema...
Eu sou um modelista naval amador (ou pelo menos te...
Boa tarde, JoséDaqui Joana, filha da Zulima (sua p...
Mus Pais tinham uma pequena tasca que servia almoç...
Boa tarde:Eu não irei propriamente comentar nenhum...
Um texto de uma rara emoção e intensidade, à altur...
Poderiam colocar a tag ficção ou cinema/tv. em bre...
tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

links
arquivos