Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010
Howard Blackburn – O mar e o homem.
A história de Howard Blackburn epitomiza o tema clássico do “homem contra a natureza. Em Janeiro de 1883, Blackburn, um jovem pescador da Nova Escócia, alistou-se na tripulação da escuna de Gloucester “Grace L. Fears”. A “Grace L. Fears”, capitaneada por Alec Griffin, tinha como destino o Banco de Burgeo, uma rica zona de pesca 60 milhas a Sul da Terra Nova. Ia em busca do alabote, o grande peixe do tipo solha que chega a pesar quase 200 quilos.
Havia um prémio em dinheiro para a primeira escuna de alabote a chegar ao porto com o porão cheio de peixe fresco. A escuna de dois mastros “Grace L. Fears” ostentava a graça de um clipper e a sua velocidade favorecia-a nas campanhas aos Bancos de pesca.
Após 3 dias de viagem, o “Grace L. Fears” chegou ao Banco de Burgeo e ancorou. Para pescar o alabote, a escuna largaria 6 dóris, cada qual tripulado por 2 homens. Os dóris de cerca de 5 metros e meio de comprimento, eram barcos rudes com popa aberta e fundo chato. Eram barcos bastante navegáveis e tornavam-se ainda mais estáveis quando carregados de peixe.
Ao raiar do dia a 26 de Janeiro, Howard Blackburn e o seu companheiro de dóri Thomas Welch, um enérgico natural da Terra Nova, sairam em busca de alabote. Remando, afastaram-se para longe da “Grace L. Fears” e começaram a largar as suas linhas de trol. Lançando primeiro a âncora de trol, de seguida vão largando a linha até chegar ao fundo. O trol consistia numa linha grossa de algodão pichada (passada por alcatrão) com pedaços de linha mais fina atada a espaços constantes, as quais possuiam cada uma um anzol iscado na ponta. Quando o trol chegava ao fundo, deitavam ao mar uma bóia (pequeno barril de madeira) com uma bandeira, bóia esta ligada também à âncora.
Puseram-se então a largar cuidadosamente o trol, que se encontrava ordenado em secções de 50 braças dentro de um “cesto” em madeira (metade de uma barril grande) e cada dóri levava 4 destes cestos. À medida que cada linha chegava ao fim, atava-se a seguinte e continuava-se a largar. O trabalho era tedioso e cerca de uma hora mais tarde chegavam ao fim do trol. Largavam então a segunda bóia de marcação embandeirada. O trol, com cerca de 500 anzóis estendia-se cerca de uma milha e meia no fundo. Então os pescadores de dóri remavam de regresso à escuna para comer algo.
Nessa altura via-se que um temporal se estava a formar e o capitão ordenou aos seus homens para alarem o trol mais cedo do que previsto. Era melhor perder algum peixe do que o aparelho todo. Enquanto os homens labutavam para alar o trol, o tempo piorava. Os outros dóris já remavam de regresso à escuna na altura em que Blackburn e Welch terminavam com o fim da sua linha. No momento em que começaram a remar para a escuna, a borrasca abateu-se. Neve rodopiava em volta deles, reduzindo a visibilidade. Mais preocupante, devido à direcção do vento, encontravam-se a sotavento (contra o vento) da escuna e estavam forçados a remar contra vento e mar revoltado. Remaram e remaram e periodicamente sopravam a sua buzina de mau tempo, mas o som era abafado pelo vento uivante.
Ao cair da noite ainda não tinham alcançado a escuna. Mais tarde, quando a neve havia parado, conseguiram vislumbrar as luzes da escuna à distância. A sua posição indicava que apesar das vigorosas remadas, não se encontravam mais perto da escuna. Então largaram âncora e passaram uma noite gelada, constantemente lambidos pelo spray frígido do mar. Ao amanhecer, a “Grace L. Fears” tinha desaparecido. Blackburn e Welch estavam sozinhos no seu dóri e o temporal continuava.
Decidiram então remar para a costa da Terra Nova, a qual se encontrava a mais de 60 milhas para Norte. Os mares estavam traiçoeiros e o perigo do dóri se virar era constante. Remar contra o mau tempo de pouco servia e eram constantemente subjugados por ele. Os homens remavam e tiravam a água do dóri em turnos de modo a mantê-lo de frente para o vento.
Ao tirar água do dóri, Blackburn perdeu as luvas, mas tão preocupado estava em manter o dóri a flutuar, que só quando Welch lhe apontou para as mãos, este notou que as havia perdido. Apercebendo-se que as mãos lhe começacam a gelar e cedo estariam “mortas”, Blackburn lentamente forçou-as a agarrar os remos. Em pouco tempo transformaram-se em garras geladas.
O duro martírio continuou. A luta para manter o dóri a direito era constante e tinham de moer o gelo que incrustava no dóri para prevenir que este afundasse o bote. As mãos geladas de Blackburn sofreram imenso nesse processo. O vento não dava descanso e o ar frígido envolvia-os.
O anoitecer chegou e um novo dia, mas a salvação não chegara. Durante a segunda noite, Welch começou a vacilar e Blackburn teve de continuar a lutar por ele próprio. Pela alvorada, Blackburn apercebia-se que o seu companheiro de dóri tinha gelado até à morte. Blackburn continuou a remar durante todo o terceiro dia e a sede atormentava-o. Remava... e descansava, perpetuando o seu labor solitário. A noite chegou e o frio não baixava, com o seu companheiro morto à popa.
Ao quarto dia, os mares haviam acalmado e ele continuou a remar. Nesta altura nas suas mãos já se viam os ossos. Cada puxar de remos trazia-lhe agonia, mas pelo final da tarde conseguiu finalmente vislumbrar a linha da costa. À medida que se aproximava da costa, a água tornou-se turbulenta e constatou que estava na foz de um rio. Remou rio acima mas não encontrava quaisquer habitantes.
Mais um dia passou e o abatido Blackburn continuou a luta contra o frio, sede e exaustão. Finalmente, à quinta noite após se ter perdido da escuna, Blackburn foi descoberto por gentes que viviam junto ao rio. Descobria assim que havia alcançado a comunidade piscatória de Little River na costa da Terra Nova.
Apesar de ter sobrevivido à fúria do oceano, Blackburn foi forçado a uma dolorosa recuperação à mordida do frio. Eventualmente perdeu todos os dedos em ambas as mãos e metade dos polegares. Também perdeu vários dedos dos pés, dois no esquerdo e três no direito.
A incrível história de sobrevivência de Blackburn espalhou-se depressa e cedo tornar-se-ia numa lenda. Após a recuperação, Blackburn saíu da Terra Nova e fixou-se em Gloucester, Massachusetts, um velho porto de pescadores que condizia com o seu temperamento. O bom povo de Gloucester angariou fundos que permitiram a Blackburn tornar-se proprietário de um saloon, generosidade que o próprio muitas vezes retribuíu.
Contudo, os dias de aventura no mar não tinham acabado. Apesar de ter perdido os dedos em ambas as mãos, Blackburn cumpriria travessias solitárias do Atlântico a bordo das suas chalupas “Great Western” e “Great Republic”. Também se aventurou de escuna até ao Klondike em busca de ouro. Blackburn viveu até aos 73 anos e a sua vida notável tornou-se num símbolo da dureza dos pescadores e do triunfo do espírito humano.
in aquanet.com.


publicado por cachinare às 08:21
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Como corroborando o acima dito no último paragrafo...
Pode me falar alguma coisa sobre meu parente, ANTO...
Em relação ao seu comentário, pergunto: O nome do ...
Boa tarde.O Hugo tem precisamente o mesmo problema...
Eu sou um modelista naval amador (ou pelo menos te...
Boa tarde, JoséDaqui Joana, filha da Zulima (sua p...
Mus Pais tinham uma pequena tasca que servia almoç...
Boa tarde:Eu não irei propriamente comentar nenhum...
Um texto de uma rara emoção e intensidade, à altur...
Poderiam colocar a tag ficção ou cinema/tv. em bre...
tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

links
arquivos