Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008
Arte marítima.
“The Widow Maker”  -  Thomas Hoyne
 
O “Oriole”, durante a sua curta vida entre 1908 e 1916, foi o campeão da frota de pesca de Gloucester e poucas escunas o conseguiam desafiar em velocidade. Foi construído em Essex, Massachusetts nos estaleiros de Tarr & James e mais de 500 pessoas estiveram presentes no seu lançamento à água em 24 de Junho de 1908. Na sua viagem inaugural no mês seguinte, o “Oriole” esteve sob o comando do Capitão Thad Morgan, natural da Virgínia e um dos poucos e dos melhores comandantes do Sul em actividade.
Na época seguinte, o navio trabalhou com vários aparelhos, desde redes até aos típicos dóris. Após numa ocasião ter quase sido destruído pelo fogo enquanto atracado em Gloucester, o fim desta bela embarcação surgiu quando foi abalroada pelo vapor Norueguês “Borghild” a 12 de Agosto de 1916, 40 milhas a sudoeste da Nova Escócia. Embora se conseguisse ouvir o assobio do vapor à distância, o nevoeiro cerrado naquela noite tornara a visibilidade quase nula. A proa massiva do vapor embateu na escuna de 145 toneladas quase partindo-a em dois. A tripulação batalhou pelos dóris, bóias de trol e mastreação à medida que o “Oriole” afundava em menos de 4 minutos.
Thomas Hoyne na sua pintura, escolheu representar a tripulação a arrumar uma jiba na escuna “Oriole”, trabalho perigoso no gurupés balouçante em mares vivos. Os céus a escurecer fazem prever mares de tempestade e as ondas em crescendo adicionam tensão à cena, à medida que os homens se esforçam por manter o controlo do navio.
O título da obra seria em Português “O Fazedor de Viúvas” ou “O Viuveiro”. Já anteriormente escrevi sobre este título dado ao gurupés (longa extensão da proa) pelos pescadores Americanos e Canadianos e inúmeros homens perdiam a vida exactamente em situações como esta, ao tentar arrumar as velas da proa apenas seguros no cordame e apoiados numa longa e fina trave de madeira escorregadia. O gurupés das escunas era uma das partes do navio sobre a qual mais se debruçavam alguns desenhadores navais, tentando encurtá-lo ou acabar com ele.


publicado por cachinare às 11:50
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Desculpe, o bisavô ou tios-avós têm a ver com a Sa...
boa tarde.Só para informar que a fotografia é da a...
meu tataravô era Armeiro ai Na Noruega. Gostaria d...
Meu Caro António FangueiroJulgo que se equivocou a...
Com todos os dados meu amigo Albino ,claro que ouv...
Desta foto guardo bastas recordações ,pois foi nes...
Grato, amigo António Fangueiro! Bem-haja!Grande ab...
Até tu Peixe-Espada, desapareces-te ! . . .Talvez ...
Olá, GraçaMuito obrigada pela partilha da sua hist...
Olá, Ana Paula!Só agora vi este comentário. Sim, s...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos