Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011
Uma carta de 1867.

Em 1988 foi apresentada no Museu de Dunquerque, no Norte da Bretanha, França, uma exposição consagrada aos pescadores do bacalhau na Islândia do séc. XIX. Por entre documentos, objectos e recordações encontrava-se uma carta dum pescador à sua esposa... .

 
«Querida esposa, ponho-me a escrever-te estas curtas palavras para te dizer que chegamos hoje a Grismoute, embora secalhar me consideres levado deste mundo depois de tanto tempo, mas Deus bem nos conservou a vida apesar de todos os grandes perigos aos quais estivemos expostos.
Digo-te querida esposa que tivemos a má-sorte de perder o nosso pobre navio a 9 de Setembro na Baía de Forestonne na Islândia e ainda pior doi que perdemos uma porção dos nossos efeitos e não pudemos salvar o que havia a bordo do navio, estando já o navio cheio de água quando o deixamos nas embarcações e em poucas horas ficou o navio desfeito pelas vagas.
Enfim querida esposa, é um grande azar de grande sofrimento, tendo grande dor por nada ganhar, mas embora nada podendo fazer, devemos agradecer a Deus por nos ter conservado a vida. Enfim, o principal é que ainda nos encontramos no mundo. Peço a Deus que a minha presente carta te encontre na mesma posição na qual me encontro, bem como a nossa criança e toda a família. O que desejo do mais profundo do meu coração é que Deus tenha piedade de nós. Espero que as nossas maiores dores estejam passadas e que dentro de 6 ou 7 dias estejamos em casa.
Nada mais tenho a dizer-te por agora e peço-te que abraces bem a nossa criança por mim. Cumprimentos à tua mãe, bem como à minha, aos nossos irmãos e irmãs e a toda a família de uma casa como da outra e a todos aqueles que se queiram informar de mim.
Querida esposa, acabo de te escrever e não de te amar e sou para toda a vida teu fiel esposo. 
Louis Dollet, 2 de Novembro de 1867»
 
A foto é já de inícios do séc. XX, mostrando a tripulação de uma escuna francesa de pesca ao bacalhau na Islândia, próximo a Reykjavik.


publicado por cachinare às 01:17
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Como corroborando o acima dito no último paragrafo...
Pode me falar alguma coisa sobre meu parente, ANTO...
Em relação ao seu comentário, pergunto: O nome do ...
Boa tarde.O Hugo tem precisamente o mesmo problema...
Eu sou um modelista naval amador (ou pelo menos te...
Boa tarde, JoséDaqui Joana, filha da Zulima (sua p...
Mus Pais tinham uma pequena tasca que servia almoç...
Boa tarde:Eu não irei propriamente comentar nenhum...
Um texto de uma rara emoção e intensidade, à altur...
Poderiam colocar a tag ficção ou cinema/tv. em bre...
tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

links
arquivos