Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2023
A Frota Branca e A Iconografia do Poder - 2.

 

«Como que a comprovar o papel do navio-hospital “Gil Eannes” como ícone do nacionalismo português e a tela de Domingos Rebelo como o ícone dos sistemas familiares e sociais, um outro ícone da ideologia do Estado Novo a bordo do “Gil Eannes” representava a presença de Deus (omnisciente, omnipotente, omnipresente) na forma de uma capela no convés. Com as portas da capela abertas, o presente vê que este pequeno local de adoração continha uma outra obra de Rebelo que efectivamente retratava o papel central da religião (Deus) na relação entre bacalhau, o pescador-de-dóri a trabalhar nos Bancos e a família em casa em Portugal – todos unidos através da mãe de Deus.
A Virgem, de braços abertos a receber todos os que lhe prestam homenagem, é o ponto focal do arranjo triangular do espaço. À esquerda, dois pescadores-de-dóri prestam respeitos a Deus através da Virgem. Um veste a típica camisa de flanela, calças grossas e botas de borracha, envergando as roupas de mau tempo enquanto se dirige em direcção à Virgem. O outro homem, vestido com camisola grossa e avental de trabalho, ajoelha-se enquanto reza com as mãos em gesto simbólico e olhos cerrados. Aos pés do pescador de pé está a representação de um enorme bacalhau – a razão pela qual está nos Bancos e longe de família e casa. À direita, mãe e criança (esposa e filho) em Portugal rezam à Virgem pelo bem e segurança no regresso do seu marido e pai. Uma saca no chão, talvez contendo os seus trabalhos ou algumas peças de roupa, complementa o bacalhau. As cores envergadas por mãe e filho são sombrias, sugerindo um estado de meditação, enquanto as vestes dos homens nos Bancos sugerem calor e protecção contra os elementos. As cores que rodeiam a Virgem – azuis e branco – separam-na das figuras terrenhas.
Nesta obra da era do Estado Novo, vemos que os mitos idealizados a rodear a indústria bacalhoeira do pós-guerra baseavam-se em três símbolos básicos. Primeiro, o “Gil Eannes” era representativo da Pátria no mundo moderno. Segundo, a tela de Rebelo simbolizava a inter-relação entre a indústria de pesca ao bacalhau portuguesa e a Família, fundação na qual assentava o sistema de benefícios. Finalmente, a capela com a sua outra obra de Rebelo simbolizava a presença de Deus – desde sempre o ícone unificador da expansão portuguesa além-mar.
Contudo, entre o mito no qual o Estado Novo idealizava o pescador-de-dóri e a realidade da vida nos bancos, existia um grande vazio. Dentro da memória colectiva do pescador-de-dóri português, existia ainda a memória de tempos antigos de virtual escravatura; tais como os descritos por Alan Villiers numa conversa que teve com o seu camarada Pierre Berthoud em 1929, quando o seu navio (o “Grace Harwar”) cruzou uma pequena frota de escunas portuguesas que rumavam aos Bancos: “Uma vida dura, diz você?” olhava furioso o francês para mim. “Uma vida de cão, isso é que é! Meu Deus, não há vida mais dura sobre o mar! Toda a pesca é dura, mas aquela é a pior, mais dura forma de ganhar a vida que conheço. Aqueles tipos terão sorte se regressarem a casa daqui a seis meses. Sim, e alguns deles não regressarão. Dou-vos um conselho, camaradas, a vida agora está difícil por toda a Europa, mas nunca vos ponhais a bordo de um daqueles. Aqueles portugueses usam dóris de um só homem. Afastem-se deles!” (Alan Villiers 1951, cap.17).»
 
 
Num breve comentário, gostaria de abordar dois pontos desta análise de Priscilla Doel:
 
1 – quando diz que “...um outro ícone da ideologia do Estado Novo a bordo do “Gil Eannes” representava a presença de Deus (omnisciente, omnipotente, omnipresente) na forma de uma capela no convés.” – Não me parece que a capela no convés de tão importante navio como o “Gil Eannes” fosse obra da “ideologia” do Estado Novo, pois desde sempre grandes navios tiveram uma capela a bordo, fossem navios de passageiros ou transporte. Hoje em dia, os mais modernos navios incluem uma capela ou até diferentes locais de culto a bordo para as diferentes religiões dos passageiros. Além disso, os pescadores por natureza sempre foram e ainda são pessoas muito crentes, independentemente das ideologias temporais.
 
2 – A descrição do marinheiro francês em 1929 sobre a pesca do bacalhau será na sua maioria verdadeira. No entanto, ainda por alturas de 1929, a frota bacalhoeira francesa na Terra Nova e Labrador tinha o hábito de deitar borda-fora pescadores que morriam a bordo, de exaustão, maus tratos e doença.
Nunca li ou soube de algo semelhante na frota portuguesa dessa ou de outra altura. Poderei vir a descobri-lo no muito que me falta ler... ou talvez não. 21 anos mais tarde, Alan Villiers experimentaria a vida daquela frota portuguesa e o resultado é bem conhecido.
 
Traduzido de: – Priscilla Doel “The Iconography of Power”, a chapter in The Portuguese in Canada (University of Toronto Press) - 2000.
 
Foto de Rui Agostinho - SérgioCruises.
 
Fundação “Gil Eannes” – Viana do Castelo.


publicado por cachinare às 10:13
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
boa noite, poderiam me informar qual a data do pai...
Sales Manager (https://numberoneboats.com/)Sales M...
Este arranjo está relacionado com a sua transforma...
Caro José Valério,Obrigado pelo comentário e refer...
Bom diaParabéns pela excelente pesquisa e apresent...
Parabéns pelo artigo!Não conhecia!
Olá nasci a ouvir as histórias do meu tetravo. Gos...
Caro amigo Cunha - (Carocho do Rio Minho o CORVO)A...
Os meus falecidos pais que eram um jovem casal de ...
A aiola é uma adaptação local da antiga "iole", "y...
tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

links
arquivos