Quarta-feira, 23 de Novembro de 2022
Livro: Artur Pastor - Portugal país de contrastes

MockUp_ArturPastor.png

"Portugal não se visita apenas com o olhar porque se sente, também, com o coração”, foram as palavras de Artur Pastor que serviram de mote ao livro que assinala o centenário do seu nascimento, e que agora já se encontra à venda.

A publicação que assinala o centenário do nascimento de Artur Pastor visa dar a conhecer a obra deste fotógrafo ímpar e a sua visão de Portugal, um país desaparecido e alterado na memória dos mais novos, mas refletindo um passado presente para os que o viveram. A iniciativa resulta de uma co-edição da Câmara Municipal de Lisboa e da editora Majericon.

Este roteiro fotográfico agora disponível, resulta de um trabalho de parceria desenvolvido ao longo de dois anos entre entre o Arquivo Fotográfico e a editora Majericon, com o objetivo de selecionar e trazer a público um conjunto de imagens representativas do país visto por Artur Pastor - o qual ele próprio denominou como, “Portugal, um país de contrastes”.

A publicação é composta por uma seleção de cerca de 250 fotografias a preto e branco, através da qual é possível perceber a personalidade do fotógrafo e a sua sensibilidade para a fotografia.

Tomando como ponto de partida o texto 'Portugal um país de contrastes', escrito por Artur Pastor em abril de 1954 para a revista Portugal Ilustrado, e o seu testemunho “Portugal não se visita apenas com o olhar porque se sente, também, com o coração”, este livro constitui-se como um roteiro fotográfico sobre o legado deixado pelo fotógrafo Artur Pastor, evocando o seu desassossego ambivalente, em torno da escrita e da fotografia, do litoral e do interior ou da ruralidade e da modernidade.

A publicação encontra-se à venda nas instalações do Arquivo Municipal de Lisboa, livrarias e pode ser adquirida online através da página da editora em www.majericon.com. Estará também disponível na Loja BLX – Bibliotecas de Lisboa a partir do início de dezembro.
A apresentação pública do livro está prevista para o próximo mês de janeiro, nas instalações do Arquivo Fotográfico em horário e data a anunciar.

Tamanho 22.6 cm x 22.7 cm | 264 páginas | Capa dura | ISBN 978-98-93336-53-3 | PVP 35,00€
Textos em Português, Inglês e Francês

Artur Pastor | nota biográfica

Artur Pastor nasceu em Alter do Chão, a 1 de maio de 1922. Concluiu o curso de Regente Agrícola em Évora, na Herdade da Mitra, em 1942. Neste ano realizou o seu primeiro trabalho de fotografia que utilizou para ilustrar a sua tese final. Nessa altura descobriu o gosto pela fotografia que o fascinou até ao fim da sua vida.
Em Évora envolveu-se em projetos de natureza fotográfica apresentando os seus trabalhos em publicações ilustradas, postais, selos e cartazes. Colaborou em diversos jornais do Sul do País com artigos de opinião e de cariz literário. Com apenas 23 anos apresentou a sua primeira exposição “Motivos do Sul”.

No início dos anos cinquenta ingressou nos serviços do Ministério da Economia em Montalegre, sendo transferido em 1953 para Lisboa, para a Direção-Geral dos Serviços Agrícolas, fundando a fototeca deste serviço. Paralelamente, colaborou com outros organismos públicos, dos quais se destacam, a Junta Nacional do Azeite, do Vinho, das Frutas e a Federação Nacional dos Produtores de Trigo, entre outros. Em 1958 publicou uma edição de autor intitulada “Nazaré” e em 1965, “Algarve”, dois álbuns com textos e fotografias da sua autoria.

Participou frequentemente em exposições e Salões de Fotografia, tanto em Portugal como no estrangeiro, donde recebeu alguns primeiros prémios. O seu trabalho foi publicado por diversas revistas de fotografia nacionais e internacionais, tais como “The Times”, “National Geographic” entre outras.

Trabalhou por encomenda para diversos organismos oficiais e empresas, sobretudo no campo da agricultura e turismo. Integrou exposições oficiais e feiras, no país e no estrangeiro, tendo fotografado de forma regular até ao seu falecimento, em 1999. Em 2001 o espólio foi adquirido à família pela Câmara Municipal de Lisboa.



publicado por cachinare às 20:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Sou filha do Salvador Carvalho, o neto que herdou ...
o meu avô, José Moreira Rêga andou nesta traineira...
Boa tarde. Disse que era neto do Sr Salvador de Ca...
Esta bonança pertenceu à empresa Remelgado e Santo...
Como corroborando o acima dito no último paragrafo...
Pode me falar alguma coisa sobre meu parente, ANTO...
Em relação ao seu comentário, pergunto: O nome do ...
Boa tarde.O Hugo tem precisamente o mesmo problema...
Eu sou um modelista naval amador (ou pelo menos te...
Boa tarde, JoséDaqui Joana, filha da Zulima (sua p...
tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

links
arquivos