Terça-feira, 13 de Março de 2018
O navio-motor “Pádua”.

Tendo recebido nos últimos dias algumas visitas ao blogue vindas de Aberdeen, na Escócia, por certo de algum emigrante português, tal lembrou-me desta imagem há muito à espera de ser mostrada. Trata-se do arranjo geral do navio bacalhoeiro “Pádua”, construído precisamente em Aberdeen no ano de 1947, nos estaleiros de Hall Russel Ship Builders. Este navio para a pesca do arrasto foi a sua construção nr. 799, estaleiros estes que iniciaram construções em 1864 e fecharam portas em 1992.

Este navio em aço de cerca de 67 metros de comprimento, 11m de boca e 5m de pontal, deslocava 1.296 toneladas brutas e o seu armador foi a Empresa Comercial e Industrial de Pesca (PESCAL) de Lisboa. Em 1968 receberia o nome de “Aida Peixoto” e voltaria em 1980 ao original “Pádua”.
Os seus dias terminariam em 1991, possivelmente desmantelado (não confirmado), na onda de muitos outros nos inícios dos anos 90, por directivas comunitárias na sua maioria. Uma das suas poucas fotos existentes é esta, do Museu Marítimo de Ílhavo.
No link abaixo é possivel descarregar uma imagem maior deste arranjo geral do navio, onde é possível ver em detalhe como se dividiam os vários compartimentos, desde o local dos porões do peixe, a onde se guardava o vinho, o rancho da tripulação, ou os enormes depósitos de fuel. Algo que poderá ajudar os modelistas navais que hoje em dia se vão apercebendo cada vez mais dos muitos e interessantes navios da frota bacalhoeira portuguesa. É preciso pegar neles, estudá-los e torná-los visíveis de novo hoje em dia, na arte do modelismo.
 
“Pádua” – arranjo geral.


publicado por cachinare às 22:04
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Albino Gomes a 22 de Março de 2018 às 17:19
A partir de 1958, no arrastão Pádua, foi pela primeira vez como Capitão, o nosso conterrâneo vilacondense, João Morais de Almeida.
No ano anterior, ainda como Imediato, embarcou comigo, no n/m Lousado, navio de pesca à linha, superiormente capitaneado por António Remígio Sacramento Teiga (+conhecido pelo António Capote).
Tal como estes 2 navios, havia ainda o arrastão Águas Santas e o lugre Maria das Flores, também da Empresa de Pesca «Pescal», que nos tempos áureos da Marinha Mercante Portuguesa, pertencia à grande empresa-mãe, que era a Companhia Colonial de Navegação.


Comentar post

mais sobre mim
subscrever feeds
últ. comentários
Grato, amigo António Fangueiro! Bem-haja!Grande ab...
Até tu Peixe-Espada, desapareces-te ! . . .Talvez ...
Olá, GraçaMuito obrigada pela partilha da sua hist...
Olá, Ana Paula!Só agora vi este comentário. Sim, s...
Caro Albino Gomes, Muito obrigada pela partilha!
A partir de 1958, no arrastão Pádua, foi pela prim...
Em primeiro plano, vemos o Estaleiro Naval de mest...
Passei por aqui e, li como é meu costume os comen...
«Na antiga Lota do Peixe (e não roda), as pescadei...
Tal como se poderá observar pela matrícula e pela ...

culturmar

tags

a nova fanequeira de vila chã

ala-arriba

alan villiers

apresentação

aquele portugal

argus

arte marítima

bacalhoeiros canadianos-americanos

bacalhoeiros estrangeiros

bacalhoeiros portugueses

barcos tradicionais

caxinas

cultura costeira

diversos

fotos soltas

galiza

jornal mare - matosinhos

memórias

modelismo naval

multimédia

museus do mar

pesca portuguesa

póvoa de varzim

relatos da lancha poveira "fé em deus"

santa maria manuela

veleiros

vila do conde

todas as tags

Vídeos
links
arquivos